• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Arqueologia14/07/2022

Sífilis chegou à Europa bem antes de exploradores a contraírem nas Américas

Pintura de 1400 retrata um dos torturadores de Jesus sofrendo de ‘nariz em sela’, um efeito comum da sífilis? Crédito: detalhe de pintura austríaca c. 1400 da Paixão de Cristo, The Cleveland Museum of Art

14/07/22 - 10h12min

Que a chegada dos europeus ao Novo Mundo em 1492 levou a uma mudança maciça na paisagem ecológica tem sido amplamente aceito nos últimos 50 anos. De repente, uma troca transatlântica – milho por trigo, tomate por maçã, tabaco por cavalos – significava que plantas e animais estavam se movendo entre continentes pela primeira vez.

Foi o mesmo para os patógenos, de acordo com o historiador Alfred W. Crosby e seu influente livro The Columbian Exchange. Doenças como varíola e sarampo, trazidas para o hemisfério ocidental pelos invasores, logo mataram quase toda a população indígena. Em troca, os europeus foram vítimas da sífilis, uma doença venérea que contraíram dos nativos. A ideia de Crosby sobre a troca de doenças era interessante e rendeu uma boa história, sugerindo que, com a chegada da sífilis na Europa, uma espécie de justiça havia sido feita.

Cenário errado

O único problema é que esse cenário de sífilis está errado, de acordo com pesquisas em andamento de paleopatologistas, cientistas que estudam restos esqueléticos em busca de evidências de doenças. Depois de décadas de trabalho meticuloso, eles concluíram que a bactéria espiroqueta causadora da sífilis Treponema pallidum já existia no Velho Mundo muito antes de Colombo embarcar em seu navio e navegar para Hispaniola.

Como historiadora de mulheres que estudou documentos e obras de arte em busca de evidências de sífilis no período medieval, acredito que os paleopatologistas estão certos. Assim como restos de esqueletos, as pinturas mostram a vida como ela era. Mesmo manuscritos, embora mais abertos à interpretação, podem revelar a verdade quando os leitores abrem suas mentes para novas possibilidades. Aqui está uma amostra da evidência de que os europeus sofriam de sífilis muito antes de chegarem às Américas.

Evidência de ossos e dentes no Velho Mundo

Em um cemitério em West Sussex, no Reino Unido, arqueólogos descobriram o esqueleto de um jovem com danos extensos no crânio, clavículas, braços e pernas – uma combinação típica da sífilis. Ele morreu no século 6.

Em St. Polten, na Áustria, um cemitério medieval guarda os restos mortais de uma criança de 6 anos com dentes deformados consistentes com um diagnóstico de treponematose, talvez um caso de sífilis congênita, quando a bactéria Treponema pallidum é passada de mãe para filho durante a gravidez ou parto.

Visão de um crânio humano danificado por sífilis em estágio avançado, o tipo de evidência que os paleopatologistas podem procurar. Crédito: Canley/Wikimedia Commons, CC BY-SA

Na Anatólia, no oeste da Turquia, o esqueleto de um adolescente revelou não apenas os mesmos incisivos deformados de St. Polten, mas também danos em todo o esqueleto abaixo da cabeça. O envolvimento de dentes e ossos no mesmo espécime, e principalmente o grande número de ossos afetados neste caso, aponta para sífilis. A vítima morreu no século 13 – algumas centenas de anos antes de Colombo zarpar.

Pistas de mais de 2 mil anos

E por aí vai. Embora o número absoluto de casos não seja grande, eles continuam aparecendo. Algumas das evidências aparecem nos restos mortais de pessoas que viveram há mais de 2 mil anos.

Há uma questão pendente, no entanto. Ossos e dentes danificados parecem conter provas da sífilis pré-colombiana, mas existe a possibilidade de apontarem para outra forma da doença. O Treponema pallidum aparece em várias cepas. A subespécie que causa a sífilis é a mais mortal. Mas duas outras subespécies da bactéria causam doenças menos graves, embora ainda dolorosas e inestéticas, chamadas bejel (também conhecida como sífilis endêmica) e bouba, que geralmente não são transmitidas sexualmente. Hoje em dia, todas as três podem ser tratados com antibióticos.

Como, então, distinguir entre as três subespécies e provar que a forma venérea sempre existiu na Europa?

Em pintura do início do século 15, o olho de um historiador perspicaz vê dois soldados (um em amarelo, um atrás da pluma vermelha) com características faciais indicativas de sífilis avançada levando Cristo à sua crucificação. Crédito: "O Despojamento de Cristo da Paixão de Karlsruhe" (detalhe), c.1440. Staatliche Kunsthalle Karlsruhe, Estrasburgo

Escritores e artistas gravaram outras evidências

Evidências documentais e artísticas podem ajudar a resolver a questão. De todos os patógenos conhecidos pela humanidade, apenas os treponemas produzem resultados tão divergentes com base no clima e na cultura, uma pista importante para encontrar evidências em manuscritos.

Esse fato explica minha teoria de que as elites medievais sofriam mais severamente com a treponematose do que os camponeses. Seu estilo de vida rico os teria protegido de infecções da infância que seus inferiores sociais pegavam em suas casas lotadas e insalubres. Mas essas doenças da infância teriam o benefício de desencadear alguma imunidade futura no campesinato.

Se os membros da elite atingissem a maturidade sexual sem terem tido infecções mais leves enquanto cresciam, eles seriam altamente suscetíveis a contrair a doença pela primeira vez durante a relação sexual. Uma ferida na genitália contém uma dose maciça de bactérias infecciosas em comparação com as pequenas doses encontradas nas roupas compartilhadas ou nas roupas de cama do campesinato. Os camponeses que sofriam uma recorrência da doença quando adultos provavelmente poderiam evitá-la com sucesso por causa de sua imunidade anterior. Eu afirmo que isso não era verdade para as elites que sofriam doenças mais devastadoras.

Além de morrerem jovens, as elites infectadas corriam o risco de transmitir sífilis congênita a seus filhos, que muitas vezes se mostrava fatal para a geração seguinte. As elites e seus filhos morreram em números tão altos que algumas famílias nobres tiveram problemas para manter suas linhagens, um ponto observado há muito tempo sem fazer uma conexão potencial com a sífilis.

Diagnóstico real

Um membro da realeza que acredito que quase certamente morreu de sífilis foi o rei Eduardo IV da Inglaterra (1442-83). Um de seus conselheiros escreveu que ele morreu de uma doença difícil de curar mesmo em uma pessoa de menor status, um comentário enigmático não entendido anteriormente pelos historiadores. Mas sua declaração se encaixa perfeitamente na diferença entre sífilis venérea e endêmica, evidência que sugere que ambas as doenças existiam na Inglaterra do século 15. Os sintomas do rei e a reputação de promiscuidade sexual ajudam a confirmar meu diagnóstico.

A evidência da presença de sífilis no Velho Mundo também vem da arte.

Os médicos sabem que a sífilis pode resultar em “nariz em sela”, no qual as espiroquetas invadem o nariz do paciente e o fazem colapsar de maneira distinta. Artistas medievais desde o século 12 retratavam essa deformidade em seus trabalhos.

Nariz em sela (esquerda): em pintura medieval, um dos algozes de Cristo tem características faciais que lembram característica de um paciente com sífilis. Créditos: British Journal of Plastic Surgery, Vol. 10, McLaren + Penney, The reconstruction of the syphilitic saddle nose: A review of seven cases, págs. 236-252, Copyright 1957–1958; The Taymouth Hours, Inglaterra, meados do século 14. Biblioteca Britânica, MS Yates Thompson 13, fol. 120v.

Acredito que eles pretendiam mostrar doenças venéreas e não endêmicas porque usam nariz em sela em representações de figuras pecaminosas, incluindo os homens que torturaram Cristo ou mataram bebês por ordem do rei Herodes.

Nariz em sela: um grilo (monstro medieval) exibe essa deformidade em um desenho do início dos anos 1300. Créditos: British Journal of Plastic Surgery, Vol. 10, McLaren + Penney, The reconstruction of the syphilitic saddle nose: A review of seven cases, págs. 236-252, Copyright 1957–1958; The Maastricht Hours, Liège, século 14. British Library, MS Stowe 17, fol. 151r.

Símbolo da depravação

Até o tolo grilo, um monstro medieval com rosto e pernas, mas sem corpo, era um símbolo da depravação humana.

Exemplos não faltam. Os historiadores ignoraram boas evidências – tão claras quanto o nariz em seu rosto, por assim dizer – porque acreditavam na troca colombiana. No que diz respeito à sífilis, no entanto, essa estrutura intelectual agora parece ultrapassada.

* Marylynn Salmon é pesquisadora associado em História no Smith College (EUA).

** Este artigo The Conversation. Leia o artigo original aqui.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


Alfred W. Crosby