Signatários de uma Nova Economia do Plástico mostram seus avanços

Levantamento da Fundação Ellen MacArthur revela como e quanto 350 marcas, governos e outras organizações estão avançando dentro da proposta de diminuir a geração de plástico, ampliar a reutilização e reciclagem do material

Reciclar materiais como plásticos pode render dividendos ambientais e sociais (Foto: iStockphoto)

Ao longo dos últimos quatro anos, a iniciativa Nova Economia do Plástico, da Ellen MacArthur Foundation, reuniu empresas e governos em torno de uma nova visão para uso do plástico. Agora a fundação, em colaboração com a ONU Ambiente, apresenta o primeiro relatório desse Compromisso Global por uma Nova Economia do Plástico. O levantamento mostra como e quanto essas marcas, governos e outras organizações estão avançando nas suas metas para diminuir a geração de plástico, ampliar a reutilização e reciclagem do material. Isso oferece um novo patamar de transparência sobre o atual sistema de produção e os esforços para erradicar os resíduos e a poluição por plástico.

No atual levantamento, disponível na íntegra aqui, 30 grandes empresas incluindo Carrefour, Colgate-Palmolive, Danone, MARS Incorporated, Nestlé, SC Johnson, The Coca-Cola Company e Unilever publicaram os volumes anuais de embalagens plásticas geradas pelas suas marcas, muitos deles pela primeira vez.

250 organizações se comprometem com uma Nova Economia do Plástico

Lançado oficialmente em outubro de 2018 já com 250 signatárias, o Compromisso viu o número de adeptos subir até agora para mais de 350. Entre os novos integrantes dessa investida estão a cidade de São Paulo e Meu Copo Eco, no Brasil, além de Apple, Barilla, Tetra Pak, L’OCCITANE en provence e o Governo de Ruanda. Instituições financeiras com mais de US$ 4 trilhões de ativos sob gestão endossaram o compromisso.

As metas de conteúdo reciclado de plástico em embalagens juntas representam 5 milhões de toneladas até 2025. Este é o maior compromisso da história para o uso de plástico reciclado em embalagens e cria uma demanda por maiores investimentos em reciclagem de qualidade, podendo resultar em uma redução significativa da produção de plásticos virgens. E também na migração para modelos de entrega de reúso que reduzam a necessidade de embalagens de uso único.

Empresas de bens de consumo e varejistas se comprometem a aumentar o conteúdo de plástico reciclado em suas embalagens a uma média de 25% até 2050, em comparação à atual média global de apenas 2%. Mas, a reciclagem não pode ser a única estratégia. A eliminação de embalagens plásticas problemáticas ou desnecessárias através do redesenho, da inovação, e de novos modelos de entrega é uma prioridade. E muitos dos signatários estão trabalhando nessa eliminação – incluindo o PVC e os canudos e sacolas plásticas de uso único – até o fim deste ano.

OBJETIVOS BEM DEFINIDOS
O Compromisso Global tem como objetivo criar uma nova realidade para as embalagens
plásticas, e seus signatários se comprometem a:
● Eliminar embalagens plásticas problemáticas ou desnecessárias e mover de modelos de embalagens de uso único para modelos de reuso
● Inovar para garantir que 100% das embalagens plásticas possam ser reutilizadas, recicladas ou compostadas de maneira fácil e segura até 2025
● Circular os plásticos produzidos, com um aumento significativo dos volumes de plástico reutilizado ou reciclado em novas embalagens