Sonda europeia faz sua primeira aproximação ao Sol

Lançada em fevereiro, a Solar Orbiter atinge uma nova etapa na sua missão de investigar nossa estrela e seu campo magnético, origem do vento solar que afeta todo o sistema planetário

Solar Orbiter: preparando-se para fazer a mais aprofundada investigação do Sol realizada até agora. Crédito: ESA

A Solar Orbiter, missão de exploração solar da Agência Espacial Europeia (ESA), fez a sua primeira aproximação à estrela ontem (15 de junho), chegando a 77 milhões de quilômetros de sua superfície, cerca da metade da distância entre o Sol e a Terra.

Na semana seguinte a esse primeiro periélio (o ponto na órbita mais próxima do Sol), os cientistas da missão testarão os dez instrumentos científicos da espaçonave, incluindo os seis telescópios a bordo, que obterão imagens em close do Sol em uníssono pela primeira vez. Segundo Daniel Müller, cientista do Projeto Solar Orbiter, as imagens, a serem divulgadas em meados de julho, serão as imagens mais próximas do Sol já capturadas.

“Nunca tiramos fotos do Sol a uma distância mais próxima que essa”, diz Daniel. “Houve close-ups de alta resolução, por exemplo, feitos pelo telescópio solar Daniel K. Inouye, de quatro metros, no Havaí, no início deste ano. Mas da Terra, com a atmosfera entre o telescópio e o Sol, você só pode ver uma pequena parte do espectro solar que pode ver do espaço.”

LEIA TAMBÉM: Eclipses solares: história, crenças e curiosidades

A Parker Solar Probe da Nasa, lançada em 2018, faz abordagens mais próximas. A sonda, no entanto, não carrega telescópios capazes de olhar diretamente para o Sol.

Resolução bem maior

“Nossos telescópios de imagem ultravioleta têm a mesma resolução espacial que a do Solar Dynamic Observatory (SDO) da Nasa, que tira imagens de alta resolução do Sol de uma órbita próxima à Terra. Como atualmente estamos na metade da distância do Sol, nossas imagens têm o dobro da resolução do SDO durante esse periélio”, diz Daniel.

O objetivo principal dessas observações iniciais é provar que os telescópios da Solar Orbiter estão prontos para futuras observações científicas.

“Pela primeira vez, poderemos reunir as imagens de todos os nossos telescópios e ver como elas coletam dados complementares das várias partes do Sol, incluindo a superfície, a atmosfera externa ou a coroa e a heliosfera mais ampla ao seu redor”, diz Daniel.

Os cientistas também analisarão dados dos quatro instrumentos in situ que medem as propriedades do ambiente ao redor da espaçonave, como o campo magnético e as partículas que compõem o vento solar.

“Esta é a primeira vez que os nossos instrumentos in situ operam a uma distância tão próxima do Sol, proporcionando-nos uma visão única da estrutura e composição do vento solar”, afirma Yannis Zouganelis, cientista adjunto do projeto de orbitais solares da ESA. “Para os instrumentos in situ, isso não é apenas um teste, estamos esperando resultados novos e empolgantes.”

Mais perto que Mercúrio

Lançada em 10 de fevereiro deste ano, a Solar Orbiter está completando sua fase de comissionamento em 15 de junho e começará sua fase de cruzeiro, que durará até novembro de 2021. Durante a principal fase científica a seguir, a sonda chegará a 42 milhões de quilômetros da superfície do Sol, mais próximo do que o planeta Mercúrio.

A sonda alcançará seu próximo periélio no início de 2021. Durante a primeira aproximação da fase científica principal, no início de 2022, chegará a 48 milhões de quilômetros.

Os operadores da Solar Orbiter usarão a gravidade de Vênus para mudar gradualmente a órbita da espaçonave para fora do plano eclíptico, no qual os planetas do Sistema Solar orbitam. Essas manobras rápidas permitirão à Solar Orbiter olhar para o Sol a partir de latitudes mais altas e obter a primeira visão adequada de seus polos. O estudo da atividade nas regiões polares ajudará os cientistas a entender melhor o comportamento do campo magnético do Sol, o que impulsiona a criação do vento solar que, por sua vez, afeta o ambiente de todo o Sistema Solar.

Dados armazenados

Uma vez que a sonda está atualmente a 134 milhões de quilômetros da Terra, levará cerca de uma semana para que todas as imagens de periélio sejam baixadas através da antena de 35 m da ESA em Malargüe, na Argentina. As equipes científicas processarão as imagens antes de divulgá-las ao público em meados de julho. Os dados dos instrumentos no local serão divulgados ainda este ano, após uma calibração cuidadosa de todos os sensores individuais.

“Temos uma janela de download de nove horas todos os dias, mas já estamos muito longe da Terra, portanto a taxa de dados é muito menor do que era nas primeiras semanas da missão, quando ainda estávamos muito perto da Terra”, diz Daniel. “Nas fases posteriores da missão, ocasionalmente levará vários meses para baixar todos os dados, porque a Solar Orbiter é realmente uma missão espacial profunda. Diferentemente das missões próximas à Terra, podemos armazenar muitos dados a bordo e fazer o downlink deles quando estivermos mais perto de casa novamente e a conexão de dados for muito melhor.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança