Sonda europeia mostra crateras marcianas na primavera

ExoMars examinou em detalhes características de quatro crateras de impacto em Marte logo após o hemisfério sul do planeta passar pelo equinócio de primavera

Campo de dunas escuras em cratera de impacto dentro da Cratera Verde, no sul de Marte: Crédito: ESA/ExoMars/CaSSIS

Um novo conjunto de imagens capturadas pelo Sistema de Imagem a Cores e Superfície Estéreo (CaSSIS) na sonda ESA-Roscosmos ExoMars Trace Gas Orbiter mostra uma série de características geológicas interessantes na superfície de Marte, capturadas no momento em que o planeta passou seu equinócio de primavera.

Campos de dunas na Cratera Verde de Marte

A imagem acima, tirada em 27 de abril de 2020 e centralizada em 52,3° S, 351,8° E, mostra parte de uma cratera de impacto localizada dentro da Cratera Verde, no quadrilátero Argyre, no hemisfério sul de Marte.

A imagem revela um campo de dunas quase preto à direita, cercado por solos vermelhos, parcialmente cobertos por gelo branco brilhante. Barrancos, também parcialmente cobertos de gelo, são visíveis na parede da cratera no centro da imagem. Atualmente, os cientistas estão investigando a relação entre esse gelo sazonal e a presença dos barrancos. A imagem foi tirada logo após o equinócio de primavera no hemisfério sul de Marte, quando a parte mais ao sul da cratera (à direita) estava quase completamente livre de gelo, enquanto a parte norte (centro) ainda estava parcialmente coberta. A parede sul da cratera teve uma exposição mais longa ao Sol (como na Terra, as encostas voltadas para o equador recebem mais luz do sol), de modo que o gelo nessa área recuou mais rapidamente.

LEIA TAMBÉM: Marte estava coberto por mantos de gelo no passado, em vez de rios

Estruturas em forma de folha na cratera de impacto Antoniadi. Crédito: ESA/ExoMars/CaSSIS
Estruturas em forma de folha na cratera Antoniadi

Esta imagem, capturada em 25 de março de 2020, mostra o fundo da cratera de impacto Antoniadi, de 400 km de diâmetro. Ela está localizada no hemisfério norte de Marte, na região de Syrtis Major Planum. A cor azul da imagem, centralizada em 21,0° N, 61,2° E, não representa a cor real do chão da cratera, mas destaca a diversidade da composição da rocha dentro dessa cratera de impacto.

No centro da imagem existem estruturas dendríticas que se parecem com as veias das folhas de carvalho. Essas estruturas, evidência de antigas redes fluviais nessa região, projetam-se da superfície, diferentemente dos canais, que geralmente surgem afundados na superfície. Isso ocorre porque os canais foram preenchidos com material mais duro – possivelmente lava – e, com o tempo, as rochas mais macias ao redor desses canais ramificados foram corroídas, deixando uma marca invertida desse antigo sistema fluvial.

Bacia Argyre depois do equinócio de primavera. Crédito: ESA/ExoMars/CaSSIS
Bacia de impacto Argyre após o equinócio de primavera

Esta imagem da bacia de impacto Argyre, nas terras altas do sul de Marte, foi tirada em 28 de abril de 2020, assim como Marte havia passado pelo equinócio de primavera no hemisfério sul. O gelo sazonal na bacia de impacto de 800 km de extensão está visivelmente se afastando, enquanto a crista do lado direito da imagem ainda está coberta de geada. A imagem está centralizada em 57,5 ​° S, 310,2° E. A cordilheira coberta de gelo está voltada para o polo, recebendo, portanto, menos radiação solar do que a encosta voltada para o equador. Em Marte, a radiação solar recebida transforma o gelo em vapor d’água diretamente, sem derreter primeiro em água, em um processo chamado sublimação. Como a encosta voltada para o norte (à esquerda) teve uma exposição mais longa à radiação solar, seu gelo sublimou mais rapidamente.

Rochas no desfiladeiro Ius Chasma. Crédito: ESA/ExoMars/CaSSIS
Composição rochosa no desfiladeiro Ius Chasma

A imagem tirada em 5 de maio de 2020 mostra uma parte do piso do desfiladeiro Ius Chasma, parte do sistema de desfiladeiros Valles Marines, que se estende por quase um quarto da circunferência de Marte ao sul do equador do planeta. O desfiladeiro de Ius Chasma, que pode ser visto na imagem que se eleva a uma cordilheira no lado direito, tem cerca de 1.000 km de comprimento e 8 km de profundidade – ou seja, mais que o dobro do comprimento e quatro vezes a profundidade do famoso Grand Canyon, no Arizona (EUA). O centro desta imagem está localizado em 8,8° S, 282,5° E.

As belas variações de cores no piso de Ius Chasma são causadas por mudanças na composição das rochas. Os cientistas teorizam que as rochas leves são sais deixados para trás depois que um lago antigo evaporou. As informações sobre a composição da rocha são úteis para os cientistas, pois permitem refazer a história da formação do cânion.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança