SpaceX: pela 1ª vez uma empresa privada lança astronautas ao espaço

O lançamento de um foguete da empresa de Elon Musk com astronautas americanos para a Estação Espacial Internacional, inicialmente previsto para o dia 27, marca a estreia efetiva de uma empresa particular em uma atividade antes estatal

Foguete Falcon 9 da SpaceX em Cabo Canaveral: com o lançamento desta quarta-feira, empresa de Elon Musk se torna a primeira companhia privada a mandar astronautas para o espaço. Crédito: Nasa/Bill Ingalls

Em 27 de maio, pela programação inicial, dois astronautas americanos, Robert L. Behnken e Douglas G. Hurley, deverão partir do Kennedy Space Center em uma missão à Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês). Se essa viagem (adiada inicialmente para 30 de maio por razões meteorológicas) for bem-sucedida, será a primeira vez em nove anos que astronautas americanos serão lançados no espaço a partir de solo americano. O que é ainda mais notável é que eles não serão lançados pela Nasa, mas por uma empresa privada, a SpaceX.

O voo espacial humano é incrivelmente difícil e caro; os foguetes devem ser confiáveis ​​e o veículo deve ser construído com sistemas caros de suporte à vida e um certo nível de redundância. Até o momento, apenas três países – Rússia, Estados Unidos e China – conseguiram esse feito.

Como especialista em política espacial, acho difícil exagerar a importância da SpaceX e do voo espacial em geral. Para a SpaceX, é mais um passo em seu caminho para Marte, mas, de maneira mais geral, isso demonstra que os voos espaciais não precisam ser reservados apenas para os estados mais poderosos.

LEIA TAMBÉM: SpaceX anuncia parceria para enviar turistas a estação espacial em 2021

Os astronautas Douglas Hurley (à esquerda) e Robert Behnken antes de embarcar em um jato com destino ao Kennedy Space Center. Crédito: Nasa/James Blair
Um sonho e uma abertura

De muitas maneiras, a conquista da SpaceX se deve não apenas aos avanços tecnológicos, mas às oportunidades trazidas pelo desastre. A desintegração do ônibus espacial Columbia, em 2003, levou o governo de George W. Bush a decidir encerrar o programa até 2010. Eles instruíram a Nasa a desenvolver um substituto, o Project Constellation, mas, devido a cortes no orçamento e outros problemas, a Nasa não conseguiu fazer progressos significativos. Como resultado, em 2010, o governo Obama instruiu a Nasa a reorientar seus esforços em missões espaciais e confiar em empresas privadas para fornecer acesso à ISS e à baixa órbita terrestre.

A nave Crew Dragon da SpaceX foi projetada para transportar até sete passageiros. Crédito: Nasa/Kim Shiflett

Entra em cena a SpaceX. Sonhando com a colonização de Marte, mas frustrado com o ritmo lento, Elon Musk fundou a SpaceX em 2002. Para chegar a Marte, ele decidiu que o voo espacial primeiramente precisaria ser mais barato. Sua filosofia era conceber um sistema de foguetes que pudesse ser usado repetidamente com o mínimo de renovação entre os voos.

Durante a década seguinte, a SpaceX projetou, construiu e testou sua série de foguetes Falcon. Assinou contratos com a Nasa para fornecer serviços de carga à ISS e com outras empresas e  a área militar dos EUA para fornecer serviços gerais de lançamento. Talvez o mais importante seja o fato de a SpaceX ter demonstrado que seus foguetes podem ser reutilizados, com os estágios principais voltando à Terra para pousar.

A mudança de 2010 na política espacial americana deu à SpaceX uma oportunidade de aproveitar seus primeiros sucessos. Em 2014, a SpaceX e a Boeing receberam contratos da Nasa para fornecer serviços de lançamento de tripulação comercial. E parece, até agora, que a SpaceX cumpriu sua promessa de reduzir o custo dos voos espaciais humanos. Comparada a uma missão média de ônibus espaciais que custou US$ 1,6 bilhão, a Nasa está pagando apenas US$ 55 milhões por assento nos próximos vôos à ISS da SpaceX.

Turistas no espaço?

Essa redução maciça no custo, possibilitada por foguetes reutilizáveis, está contribuindo para vários desenvolvimentos nos voos espaciais. Primeiramente, fornece à Nasa um meio de acesso à ISS sem depender da Soyuz russa. Desde 2011, os EUA pagam à Rússia mais de US$ 86 milhões por assento em voos para a estação espacial.

Segundo, com a SpaceX e a Boeing fornecendo acesso à ISS, a Nasa pode se concentrar no Projeto Artemis, que pretende levar seres humanos novamente à Lua até 2024. Eles também estão aproveitando novas capacidades comerciais da SpaceX, Blue Origin e outras empresas para reduzir ainda mais os custos para chegar lá.

Se a SpaceX for bem-sucedida, também poderá significar a abertura de espaço ao turismo. A Blue Origin e a Virgin Galactic estão planejando oferecer breves lançamentos suborbitais que não entram na órbita da Terra. A SpaceX, por outro lado, já está contratando passageiros para viagens de vários dias ao espaço, a US$ 35 milhões por assento. Até Tom Cruise está pretendendo voar na SpaceX e encenar um filme a bordo da ISS. Enquanto as empresas espaciais há muito preveem oportunidades para o turismo espacial, o foguete Dragon da SpaceX aproxima essa possibilidade de se tornar um fato real.

De maneira mais ampla, adicionar turistas à mistura em órbita terrestre baixa pode até ajudar a tornar o espaço mais seguro. Detritos em órbita são um problema que se avoluma cada vez mais, juntamente com tensões crescentes entre os EUA, China e Rússia no espaço. Ambas as coisas tornam a operação no espaço mais difícil, perigosa e cara.

Para que a economia espacial realmente decole, os países precisarão estabelecer regulamentos que garantam segurança e confiabilidade em diversas áreas, incluindo segurança veicular e mitigação de detritos. E, como sugiro no meu novo livro, ter mais humanos no espaço pode forçar os países a pensar duas vezes antes de tomar ações potencialmente perigosas no espaço. Enquanto o turismo espacial orbital ainda pode estar distante para o americano médio, o lançamento da tripulação da SpaceX nos aproxima do dia em que um evento extraordinário será uma ocorrência normal.

 

* Wendy Whitman Cobb é professora de Estudos de Estratégia e Segurança na Escola de Estudos Aéreos e Espaciais da Força Aérea dos EUA (USAF)

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

 

Emenda: A primeira versão desta matéria informava que o lançamento ocorreria no dia 27 de maio. Ele foi adiado, inicialmente para a tarde de sábado (30 de maio), pelo mau tempo em Cabo Canaveral no horário programado. Essa informação foi atualizada na matéria. Acompanhe o lançamento da nave Falcon 9 pelo link https://www.nasa.gov/nasalive.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança