Startups sociais criam mais empregos que as comerciais

Estudo australiano pode fornecer informações importantes para a política de emprego em tempos de pandemia de covid-19

Empreendimentos sociais têm um potencial inesperado de gerar empregos, revelou estudo. Crédito: Open Data Institute Knowledge for Everyone/Flickr

Enquanto as taxas de desemprego disparam em todo o mundo em resposta à pandemia de covid-19, um estudo mundial descobriu que as startups de empreendimentos sociais não apenas aliviam problemas sociais, mas também são muito mais importantes para a criação de empregos do que se pensava anteriormente.

Escrito pelo professor Martin Obschonka, diretor do Centro Australiano de Pesquisa de Empreendedorismo da Universidade de Tecnologia de Queensland (QUT, na sigla em inglês), da Austrália, e seu diretor fundador, professor Per Davidsson, junto com colaboradores da Suécia, o artigo foi publicado recentemente na plataforma Springer Open Access.

Eles afirmam que o impacto das startups de empreendimentos sociais na criação regional de empregos tem sido amplamente ignorado. Argumentam também que a investigação pioneira poderia fornecer informações importantes para a política de emprego, especialmente quando os governos globais lutam para sustentar economias em dificuldades.

LEIA TAMBÉM: O futuro do emprego

“Há muito que se reconhece que a entrada e o crescimento de novas empresas contribuem com uma grande parcela da criação de empregos na maioria dos países. No entanto, as startups de empreendimentos sociais são celebradas principalmente por seu valor em ajudar as pessoas desfavorecidas ou resolver problemas sociais – seu papel na criação de empregos não foi realmente considerado”, disse Obschonka.

Dependência de voluntários

“No entanto, usando um método estabelecido para rastrear os efeitos diretos e indiretos da criação de empregos em 67 regiões da Suécia durante um período de oito anos desde a entrada no mercado, nossas descobertas mostram que o efeito médio de criação de empregos por empresa foi maior para startups sociais do que para suas homólogas comerciais”, acrescentou ele. “A criação de empregos costuma ser o foco principal da missão social dessas empresas, especialmente para grupos marginalizados, incluindo pessoas com deficiência e desempregados há longo tempo.”

Davidsson disse que as descobertas são contrárias à dependência de muitos empreendimentos sociais por voluntários.

“Parece haver uma série de razões pelas quais os empreendimentos sociais criam mais empregos. Primeiramente, a maioria das startups ‘comerciais’ representa indivíduos que optam por trabalhar por conta própria, o que pode significar que eles não têm desejo ardente de crescer e contratar funcionários”, disse Davidsson.

“As startups comerciais também costumam operar em mercados lotados, com pouco espaço para crescimento. Portanto, mesmo as empresas de alto crescimento na categoria comercial não elevam a média a níveis altos, em parte porque superam ou adquirem alguns de seus pares”, acrescentou Davidsson. “Por outro lado, os empreendimentos sociais atendem a ‘mercados’ carentes de problemas sociais, como falta de moradia, abuso de substâncias, violência doméstica, refugiados, preocupações ambientais, abrigos de animais, bancos de alimentos, centros de crise, desemprego jovem e assim por diante.”

Motivação para crescer

Davidsson prosseguiu: “Isso cria espaço para o crescimento sem promover outros empreendimentos sociais. E, sendo apaixonados por resolver o máximo possível de sua questão social, os empreendedores sociais são motivados a crescer. Eles também podem se beneficiar de custos mais baixos devido a incentivos fiscais e dependência parcial de voluntários para obter uma vantagem de crescimento sobre as empresas comerciais que oferecem produtos ou serviços concorrentes”.

Os autores do estudo reconhecem que, como o setor de firmas comerciais é muito maior que o setor social, a criação total de empregos é maior no geral.

O estudo comparou regiões da Suécia em termos de startups sociais e comerciais entre 1990 e 2014 e seus efeitos líquidos na criação de empregos em até oito anos após a entrada no mercado.

“Comparações semelhantes para a Austrália ou outros países ainda não existem”, disse Obschonka. “No entanto, o emprego total no setor social cresceu recentemente em outros países, portanto nossas descobertas provavelmente serão válidas na Austrália e em outros lugares, juntamente com a Suécia.”

Empreendimentos sociais têm um potencial inesperado de gerar empregos, revelou estudo. Crédito: Open Data Institute Knowledge for Everyone/Flickr

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança