Stonehenge: círculo de pedra pode ter origem no País de Gales

Vestígios de círculo descoberto em Waun Mawn, no sudoeste do País de Gales, sugerem que pedras foram retiradas e levadas para onde Stonehenge seria edificada, a 240 km dali

Stonehenge: laços ainda mais fortes com as colinas Preseli, no País de Gales. Crédito: Pikrepo

Um dos maiores e mais antigos círculos de pedra da Grã-Bretanha foi descoberto no País de Gales – e pode muito bem ter sido o precursor do hoje famosíssimo sítio de Stonehenge, informou o site BBC News.

Os vestígios do círculo galês foram encontrados no sítio Waun Mawn, nas colinas Preseli, em Pembrokeshire (condado no sudoeste do País de Gales), durante as filmagens do documentário Stonehenge: The Lost Circle Revealed, do canal de TV BBC 2. Os pesquisadores consideram que as pedras podem ter sido retiradas dali e reerguidas a 240 quilômetros de distância, na planície de Salisbury, no que se tornaria Stonehenge.

Considerado o terceiro maior da Grã-Bretanha, o círculo galês tem diâmetro de 110 metros, o mesmo da vala que circunda Stonehenge. Ambos estão alinhados com o nascer do sol no solstício de verão. Outra semelhança é que diversos monólitos encontrados em Stonehenge são do mesmo tipo de rocha encontrada naqueles que permanecem no sítio galês. Além disso, uma das pedras encontradas em Stonehenge tem uma seção transversal incomum que corresponde a um dos buracos deixados em Waun Mawn. Esse dado sugere que o monólito foi inicialmente parte do círculo de pedra nas colinas Preseli antes de ser movido.

Migração

Já se sabia que as pedras menores usadas pela primeira vez para construir Stonehenge foram transportadas de Pembrokeshire para a planície de Salisbury. A nova descoberta sugere que as pedras de Waun Mawn podem ter sido movidas conforme os povos que habitavam a região de Preseli migraram. Eles teriam então levado consigo seus monumentos, no que seria um sinal de sua identidade ancestral. As pedras seriam posteriormente erguidas em Stonehenge à maneira do que fora feito em Waun Mawn.

Segundo os arqueólogos, isso poderia explicar por que as pedras consideradas os primeiros monólitos erguidos em Stonehenge foram trazidos de tão longe, já que a maioria dos círculos usa material de pedreiras localizadas a curta distância.

A atual descoberta veio na esteira das atividades do projeto de pesquisa Stones of Stonehenge, liderado pelo professor Mike Parker Pearson, do University College de Londres. A equipe já havia escavado antes duas pedreiras nas colinas Preseli. Como se descobriu que as pedras haviam sido retiradas antes de o primeiro estágio de Stonehenge ser construído, em 3000 a.C., a equipe decidiu reinvestigar as pedras de Waun Mawn para ver se ali era o local de um círculo de pedra próximo da pedreira e movido posteriormente.

Círculo mais amplo

Hoje em dia, apenas quatro monólitos permanecem no local. Mas uma escavação arqueológica em 2018 havia revelado buracos onde as pedras deveriam estar. Mostrou-se então que as pedras restantes faziam parte de um círculo mais amplo de 30-50 pedras. A datação do carvão e de sedimentos dos buracos mostrou que o círculo galês foi erguido por volta de 3400 a.C.

“É claro que há dúvidas sobre por que essas pedras foram trazidas do País de Gales para a planície de Salisbury… mas, em última análise, é pré-história e não sabemos”, disse a professora Alice Roberts, cientista que trabalha para a BBC. “Muitas vezes, na pré-história, fazemos essas perguntas e acho que nunca saberemos, porque simplesmente não temos nenhum registro escrito.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança