• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Arqueologia02/03/2022

Stonehenge servia como um calendário solar

Stonehenge: influência de culturas do Mediterrâneo Oriental? Crédito: Crédito: Antiquity (2022). DOI: 10.15184/aqy.2022.5

02/03/22 - 07h58min

Há muito se pensava que o famoso monumento megalítico de Stonehenge, na Inglaterra, servia como um calendário, dado seu alinhamento com os solstícios. Agora, uma pesquisa identificou como isso pode ter funcionado.

Novas descobertas sobre a história do círculo de pedra, juntamente com a análise de outros sistemas de calendário antigos, levaram o professor Timothy Darvill, da Universidade de Bournemouth (Reino Unido), a dar uma nova olhada em Stonehenge. Sua análise, publicada na revista Antiquity, concluiu que o local foi projetado como um calendário solar.

“O claro alinhamento solsticial de Stonehenge levou as pessoas a sugerirem que o local incluía algum tipo de calendário desde o antiquário William Stukeley”, disse Darvill. “Agora, as descobertas trouxeram o assunto para um foco mais nítido e indicam que o local era um calendário baseado em um ano solar tropical de 365,25 dias.”

Representação física do ano

Crucialmente, pesquisas recentes mostraram que os sarsens (blocos de arenito) de Stonehenge foram adicionados durante a mesma fase de construção, por volta de 2500 a.C. Eles eram provenientes da mesma área e, posteriormente, permaneceram na mesma formação. Isso indica que eles funcionavam como uma unidade específica.

Como tal, Darvill analisou essas pedras, examinando sua numerologia e comparando-as com outros calendários conhecidos desse período. Ele identificou um calendário solar em seu desenho, sugerindo que serviam como uma representação física do ano que ajudava os antigos habitantes da região de Wiltshire, onde está o monumento, a acompanhar os dias, semanas e meses.

“O calendário proposto funciona de uma maneira muito direta. Cada uma das 30 pedras no círculo de blocos de arenito representa um dia dentro de um mês, ele próprio dividido em três semanas cada uma com 10 dias”, disse Darvill, observando que as pedras distintas no círculo marcam o início de cada semana.

Além disso, um mês intercalar de cinco dias e um dia bissexto a cada quatro anos eram necessários para corresponder ao ano solar. “O mês intercalar, provavelmente dedicado às divindades do local, é representado pelos cinco trilitos (estruturas que consistem em duas grandes pedras verticais a suportar uma terceira pedra colocada horizontalmente no topo) no centro do local”, disse Darvill. “As quatro Pedras da Estação fora do Círculo Sarsen fornecem marcadores para ajustar até um dia bissexto.”

Como tal, os solstícios de inverno e verão seriam emoldurados pelos mesmos pares de pedras todos os anos. Um dos trilitos também enquadra o solstício de inverno, indicando que pode ter sido o ano novo. Esse alinhamento solsticial também ajuda a calibrar o calendário – quaisquer erros na contagem dos dias seriam facilmente detectáveis, pois o Sol estaria no lugar errado nos solstícios.

Calendário adotado no Egito

Tal calendário, com semanas de 10 dias e meses extras, pode parecer incomum hoje. No entanto, calendários como este foram adotados por muitas culturas durante esse período.

“Esse calendário solar foi desenvolvido no Mediterrâneo oriental nos séculos após 3000 a.C. Foi adotado no Egito como o calendário civil por volta de 2700 a.C. e foi amplamente utilizado no início do Antigo Império por volta de 2600 a.C.”, disse Darvill. Isso levanta a possibilidade de que o calendário rastreado por Stonehenge possa derivar da influência de uma dessas outras culturas. Perto dali encontram-se indícios de tais conexões culturais – o arqueiro de Amesbury nas proximidades, enterrado nas cecanias na mesma época, nasceu nos Alpes e se mudou para a Grã-Bretanha quando adolescente.

O professor Darvill espera que pesquisas futuras possam esclarecer essas possibilidades. DNA antigo e artefatos arqueológicos podem revelar conexões entre essas culturas. No entanto, a identificação de um calendário solar em Stonehenge deve transformar a forma como se vê o monumento.

“Encontrar um calendário solar representado na arquitetura de Stonehenge abre uma nova maneira de ver o monumento como um lugar para os vivos”, disse ele, “um lugar onde o tempo das cerimônias e festivais estava conectado ao próprio tecido do universo e movimentos celestes nos céus”.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

ano