Tarântula se espalhou pela Terra desde o Cretáceo

Aranha sedentária surgiu nas Américas por volta de 120 milhões de anos atrás e desde então tem se mostrado uma boa dispersora

Tarântula na Floresta da Tijuca (RJ): mesmo sendo uma aranha sedentária, ela se espalhou pela Terra. Crédito: paulsmithrj/Wikimedia Commons

As tarântulas estão entre as aranhas mais conhecidas, em parte devido ao seu tamanho, cores vibrantes e prevalência em todo o mundo. Mas uma coisa que a maioria das pessoas não sabe é que elas são caseiras. As fêmeas e seus filhotes raramente deixam suas tocas, e apenas os machos maduros vagam em busca de uma companheira. Como, então, essa aranha sedentária passou a habitar seis dos sete continentes?

Uma equipe internacional de pesquisadores, incluindo a autora correspondente Saoirse Foley, da Universidade Carnegie Mellon (EUA), iniciou uma investigação para encontrar a resposta a essa pergunta. Eles olharam para os transcriptomas, a soma de todas as transcrições do mRNA, de muitas tarântulas e outras aranhas de diferentes períodos de tempo. Suas descobertas foram publicadas online pela revista “PeerJ”.

Os pesquisadores usaram os transcriptomas para construir uma árvore genética de aranhas. A seguir, calibraram a árvore com dados fósseis. Fósseis de tarântulas são extremamente raros, mas o software usado no estudo conseguiu estimar as idades das tarântulas mais antigas em relação às idades dos fósseis de outras aranhas.

Deriva continental

Os cientistas descobriram que as tarântulas são antigas. Elas surgiram pela primeira vez no pedaço de terra agora considerado as Américas cerca de 120 milhões de anos atrás, durante o período Cretáceo. Naquela época, a América do Sul estaria anexada à África, Índia e Austrália como parte do supercontinente Gondwana. As aranhas finalmente alcançaram seus destinos atuais devido à deriva continental, com algumas passagens interessantes relacionadas a isso.

Por exemplo, a natureza de sua entrada na Ásia sugere que as tarântulas também podem ser dispersores surpreendentemente proficientes. Os pesquisadores conseguiram estabelecer duas linhagens separadas de tarântulas que divergiram no subcontinente indiano antes de se disseminar na Ásia. Uma linhagem era predominantemente terrestre, e a outra, predominantemente arbórea. Descobriu-se que essas linhagens colonizaram a Ásia com cerca de 20 milhões de anos de diferença.

Surpreendentemente, o primeiro grupo que alcançou a Ásia também conseguiu cruzar a Linha Wallace, uma fronteira entre a Austrália e as ilhas asiáticas onde muitas espécies são encontradas em abundância de um lado e raramente ou nunca do outro.

“Anteriormente, não considerávamos as tarântulas como bons dispersores. Embora a deriva continental certamente tenha desempenhado seu papel em sua história, os dois eventos de colonização asiática nos encorajam a reconsiderar essa narrativa. As diferenças de micro-habitats entre essas duas linhagens também sugerem que as tarântulas são especialistas em explorar nichos ecológicos, ao mesmo tempo que exibem sinais de conservação de nicho”, disse Foley.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança