Tartaruga empalada revela dado novo sobre o dia em que os dinossauros morreram

Tartaruga empalada revela dado novo sobre o dia em que os dinossauros morreram
Tartaruga empalada revela dado novo sobre o dia em que os dinossauros morreram (Foto: Robert DePalma)

Um fóssil encontrado em Dakota do Norte, nos EUA, parece oferecer um registro interessante sobre o evento que exterminou a maioria dos dinossauros há 66 milhões de anos.

A tartaruga empalada parece ter sido morta minutos depois de um asteroide atingir a Terra, em uma enchente provocada pelo impacto devastador.

“Nunca vi um sítio como este”, disse o paleontólogo Phil Manning, da Universidade de Manchester, no Reino Unido, um membro da equipe que estuda os fósseis, em 2019. “Quase dá para ver o evento acontecendo.”

As descobertas foram divulgadas pela revista New Yorker, em vez de um artigo científico tradicional. Isso levou muitos paleontólogos a serem publicamente céticos tanto em relação ao trabalho quanto aos pesquisadores por trás dele.

No entanto, um artigo foi publicado posteriormente na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS) e os pesquisadores estão expressando um entusiasmo cauteloso.

De acordo com os pesquisadores, a descoberta oferece uma explicação que, ao contrário da crença popular, a extinção em massa, há 66 milhões de anos, não destruiu os dinossauros, afinal, os pássaros são uma espécie de dinossauro e ainda estão por aí.

No entanto, nenhum dinossauro não aviário sobreviveu. A extinção permitiu que os mamíferos florescessem, abrindo caminho para a evolução dos primatas e, por sua vez, dos humanos.

A principal causa parece ter sido um asteróide de 10 quilômetros de largura que se chocou contra o que hoje é Chicxulub, na Península de Yucatán, no México. A explosão imediata foi devastadora, mas a explosão também levou a anos de clima frio porque muita poeira foi lançada no ar, bloqueando a luz solar. No entanto, também ocorreram grandes erupções vulcânicas no que hoje é a Índia, o que também pode ter contribuído para a extinção.

Além disso, o impacto do asteroide também teria enviado vibrações poderosas através do planeta, causando terremotos e inundações generalizados. O depósito fóssil no centro do controvérsia preserva o local de um rio, que teria sofrido uma inundação repentina quando a água foi arremessada para o interior.

O local foi examinado pela primeira vez pelo paleontólogo Robert DePalma, do Museu de História Natural de Palm Beach, na Flórida, em 2012, depois de ser encontrado por um colecionador particular na Formação Hell Creek, em Dakota do Norte.

No ano seguinte, convencido de que o impacto de um asteroide foi o responsável, DePalma contatou um jornalista nova-iorquino que trabalhou na história por vários anos. Finalmente, DePalma e seus colegas tinham um artigo pronto para enviar.

Mas, em teoria, é possível que este sítio não tenha nenhum link para o impacto Chicxulub: inundações acontecem o tempo todo. Mas a equipe tem várias linhas de evidência ligando isso ao impacto do asteróide. Os sedimentos são espessos com tektitos: pequenos pedaços de vidro natural formados em impactos de meteoritos e amplamente espalhados.

Os tektitas correspondem ao meteorito Chicxulub em um nível químico. Muitos dos peixes têm tektitas em suas guelras, sugerindo que os tektitas estavam flutuando na água. Finalmente, o depósito é coberto por uma camada de rocha distinta que é conhecida por marcar o evento de extinção.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago