Telescópio TESS descobre novo planeta orbitando duas estrelas

Quase sete vezes maior que a Terra, o novo Tatooine, denominado TOI-1338 b, completa uma volta em torno de seus sóis a cada 95 dias

Concepção artística do planeta TOI-1338 b e de seus dois sóis: mais um exemplo de que o Tatooine de "Guerra nas Estrelas" não é uma raridade no espaço. Crédito: Goddard Space Flight Center/Nasa/Chris Smith (USRA)

Uma equipe internacional de astrônomos anunciou na segunda-feira (6 de janeiro) a primeira descoberta feita pela missão TESS, da Nasa, de um sistema planetário de duas estrelas. Liderada por pesquisadores do Goddard Space Flight Center, da Nasa, e da Universidade Estadual de San Diego (SDSU, na sigla em inglês), com outros colaboradores, a descoberta do telescópio TESS marca o início de uma compreensão muito melhor da população desses sistemas planetários.

Em nome da equipe de 60 pesquisadores, o trabalho foi apresentado pelo pesquisador Veselin Kostov na 235ª reunião da Sociedade Astronômica Americana (AAS, na sigla em inglês) em Honolulu, no Havaí.

O novo planeta, chamado TOI-1338 b, é cerca de 6,9 ​​vezes maior que a Terra. Ele orbita seu par de estrelas hospedeiras a cada 95 dias. Uma das estrelas é mais maciça e muito mais brilhante que a outra; à medida que o planeta orbita o par de estrelas, bloqueia parte da luz do sol mais brilhante. Esse trânsito permite aos astrônomos medir o tamanho do planeta. O trânsito foi encontrado pela primeira vez nos dados do TESS por um estudante do ensino médio que trabalhava na Nasa com Kostov durante o verão.

LEIA TAMBÉM: Cientistas concluem que exoplaneta não deveria existir

“Nossa análise confirmou que o trânsito foi causado por um planeta circumbinário e fomos capazes de medir as propriedades do planeta”, disse o astrônomo da SDSU Jerome Orosz.

Mais um planeta anunciado

Uma dúzia desses planetas parecidos com Tatooine – assim nomeados para o mundo desértico apresentado em Guerra nas Estrelas – foram encontrados na Missão Kepler da Nasa, que terminou em 2013. O telescópio orbital TESS, lançado em 2018, cobrirá quase todo o céu e possibilitará muito mais descobertas, talvez até 100 novos planetas circumbinários. Um tamanho de amostra tão grande permitirá uma análise estatística da população, o que até o momento não foi possível porque poucos sistemas são conhecidos.

Ajudando a aumentar os números, os astrônomos da SDSU na reunião da AAS também revelaram um novo planeta circumbinário descoberto pelo Kepler, chamado KOI-3152 b. O trabalho a esse respeito foi aceito para publicação no “The Astronomical Journal”.

“Observamos evidências convincentes para esse planeta em 2012, mas a confirmação exigiu dados adicionais e melhorias na modelagem por computador”, disse o astrônomo da SDSU William Welsh. “Em particular, manchas na estrela principal e um sinal fraco de eclipse da segunda estrela dificultaram a análise.”

Em 2019, o estudante de mestrado galês Quentin Socia aceitou o desafio e liderou a investigação.

O KOI-3152 b está localizado a 1.347 anos-luz de distância e tem 3,9 vezes o tamanho da Terra. Ele orbita suas estrelas binárias a cada 175 dias. Embora o KOI-3152 b ultrapasse a borda quente da zona habitável, é um planeta gasoso de baixa densidade e incapaz de suportar a vida como a conhecemos.

A equipe do SDSU está ganhando uma especialização cada vez maior em planetas circumbinários. Foi dela, por exemplo, a descoberta do sistema Kepler-47, que consiste em três planetas orbitando duas estrelas.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança