• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Astronomia17/03/2022

Telescópio Webb atinge marco em fase de testes de espelho no espaço

Novo teste de imagem do Webb: resultados acima das expectativas. Crédito: Nasa

17/03/22 - 08h16min

A Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (Nasa), do governo dos Estados Unidos, anunciou nesta quarta-feira (16) a conclusão de etapas fundamentais de alinhamento dos espelhos do Telescópio Espacial James Webb, o mais poderoso já construído, com resultados extremamente satisfatórios.

No dia 11 de março, segundo a agência, a equipe Webb concluiu a chamada “fase fina” dos 18 espelhos do equipamento. Neste estágio considerado chave do processo de comissionamento, que é a preparação para a entrada em operação do telescópio, todos os parâmetros ópticos que foram verificados e testados estão funcionando dentro ou acima das expectativas. A Nasa também informou não ter encontrado problemas críticos e nenhuma contaminação ou bloqueios mensuráveis ​​no caminho óptico do Webb. O observatório é capaz de coletar com sucesso a luz de objetos distantes e entregá-la aos seus instrumentos sem problemas.

“Alinhamos totalmente e focamos o telescópio em uma estrela e o desempenho está superando as especificações. Estamos entusiasmados com o que isso significa para a ciência”, disse Ritva Keski-Kuha, vice-gerente de elementos do telescópio óptico. “Agora sabemos que construímos o telescópio certo”.

Embora o objetivo da imagem capturada e exibida pela Nasa, durante esta fase, fosse focar na estrela brilhante no centro para avaliação do alinhamento, os equipamentos do Webb são tão sensíveis que as galáxias e estrelas vistas no fundo aparecem.

Em órbita

Lançado em dezembro do ano passado, o Webb está a uma distância de 1,6 milhão de quilômetros (km) da Terra, cerca de quatro vezes a distância da Lua. Em comparação, o telescópio anterior ao Webb, o famoso Hubble, orbita a Terra a 544 km de distância, completando uma volta ao planeta a cada 90 minutos. A órbita espacial do novo telescópio da Nasa manterá alinhamento constante com o nosso planeta enquanto ambos circulam o Sol em sincronia. O instrumento pesa 6,3 mil quilos e é quase do tamanho de uma quadra de tênis quando fica com os painéis solares completamente abertos.

O equipamento só começará a transmitir observações científicas após o término total do processo de comissionamento, o que está previsto para ocorrer em julho. Durante esse período, além do alinhamento óptico de seus espelhos, o equipamento vem sendo regulado à temperatura prevista de operação: -380 graus Fahrenheit, ou cerca de -228 graus Celsius – considerada temperatura de criogenia.

Principal observatório de ciência espacial do mundo, o James Webb é considerado o sucessor do telescópio espacial Hubble, lançado em 1990. Ambos foram construídos para se observar o chamado espaço profundo. A diferença é que o James Webb é capaz de enxergar fenômenos em diferentes frequências do espectro de luz.

Quando estiver totalmente operacional, o Webb ajudará a resolver mistérios em nosso Sistema Solar, olhar além para mundos distantes em torno de outras estrelas e investigar as estruturas e origens misteriosas do universo. O telescópio é um programa internacional liderado pela Nasa em parceria com a com a Agência Espacial Europeia (ESA) e a Agência Espacial Canadense (CSA).

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


CSA