Telescópios mostram caos criativo no coração da nebulosa de Órion

A infância de estrelas é captada em imagem composta produzida pelos telescópios espaciais Hubble e Spitzer

Nebulosa de Órion: fábrica de formação de estrelas. Crédito: Nasa/JPL-Caltech STScI

Redemoinhos gasosos de hidrogênio, enxofre e hidrocarbonetos envolvem uma coleção de estrelas na sua infância, nesta imagem composta da nebulosa de Órion, vista pelos telescópios espaciais Hubble, da Nasa/ESA, e Spitzer, da Nasa. Juntos, os dois telescópios expõem moléculas ricas em carbono na nuvem cósmica dessa fábrica de formação de estrelas.

A nebulosa de Órion está localizada a 1.500 anos-luz de distância da Terra.

A visão ultravioleta e de luz visível captada pelo Hubble revela hidrogênio e enxofre aquecidos e ionizados por intensa radiação ultravioleta de estrelas massivas, conhecidas coletivamente como “Trapézio”. Enquanto isso, a visão infravermelha do Spitzer expõe moléculas ricas em carbono na nuvem.

Juntos, os telescópios expõem as estrelas em Órion como um arco-íris de pontos espalhados pela imagem.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança