Temperatura e latitude não influem na disseminação de covid-19

Estudo canadense desmente a ideia de que o vírus pode ser mais vulnerável a climas quentes e confirma a eficiência de medidas como distanciamento social no combate à pandemia

Militar americano em bufê de base dos EUA na Itália, em foto de 27 de março: alguns países e regiões já iniciaram ou planejam adotar em breve medidas para afrouxar regras mais rígidas de combate à pandemia. Crédito: U.S. Army/Spc. Ryan Lucas

A temperatura e a latitude não parecem estar associadas à disseminação da doença pelo coronavírus SARS-CoV-2 (covid-19), de acordo com um estudo envolvendo muitos países publicado na revista “CMAJ (Canadian Medical Association Journal)”. Por outro lado, segundo os autores, o fechamento de escolas e outras medidas de saúde pública estão tendo um efeito positivo.

“Nosso estudo fornece novas evidências importantes, usando dados globais da epidemia de covid-19, de que essas intervenções de saúde pública reduziram o crescimento da epidemia”, diz o dr. Peter Jüni, do Instituto de Política, Gerenciamento e Avaliação de Saúde da Universidade de Toronto e do St. Michael’s Hospital de Toronto (Canadá).

O estudo analisou 144 áreas geopolíticas – estados e províncias de Austrália, Estados Unidos e Canadá, além de vários países do mundo – e um total de mais de 375.600 casos confirmados de covid-19. China, Itália, Irã e Coreia do Sul foram excluídos porque o vírus estava diminuindo no caso da China ou em pleno surto de doença no momento da análise em outros países.

LEIA TAMBÉM: Estimativa indica mais de 1,6 milhão de casos de covid-19 no Brasil

Para estimar o crescimento da epidemia, os pesquisadores compararam o número de casos em 27 de março com os casos em 20 de março de 2020 e determinaram a influência de latitude, temperatura, umidade, fechamento de escolas, restrições de reuniões de massa e distanciamento social medidos durante o período de exposição de 7 a 13 de março.

Eles encontraram pouca ou nenhuma associação entre latitude ou temperatura com o crescimento epidêmico da covid-19 e uma associação fraca entre umidade e transmissão reduzida.

Surpresa

Os resultados – de que o clima mais quente não teve efeito na progressão da pandemia – surpreenderam os autores. “Realizamos um estudo preliminar que sugeria que latitude e temperatura poderiam desempenhar um papel”, diz Jüni. “Mas quando repetimos o estudo sob condições muito mais rigorosas, obtivemos o resultado oposto.”

Os pesquisadores descobriram que as medidas de saúde pública, incluindo o fechamento de escolas, o distanciamento social e as restrições de grandes reuniões, foram eficazes.

“Nossos resultados são de relevância imediata, já que muitos países e algumas províncias e territórios canadenses estão considerando facilitar ou remover algumas dessas intervenções de saúde pública”, diz Jüni.

“O verão não vai acabar com isso”, diz a professora Dionne Gesink, coautora e epidemiologista da Escola de Saúde Pública Dalla Lana. “É importante que as pessoas saibam disso. Por outro lado, quanto mais intervenções de saúde pública uma área tiver, maior será o impacto sobre a desaceleração do crescimento da epidemia. Essas intervenções de saúde pública são realmente importantes porque são a única coisa que funciona no momento para retardar a epidemia.”

Os autores observam várias limitações do estudo, como diferenças nas práticas de teste, incapacidade de estimar taxas reais de covid-19 e conformidade com o distanciamento social.

Ao decidirem como suspender as restrições, os governos e as autoridades de saúde pública devem avaliar cuidadosamente o impacto dessas medidas contra possíveis danos e benefícios à saúde econômica e mental.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança