Tendência de ter animal de estimação na pandemia chega a idosos

Pesquisa americana mostrou benefícios em saúde e bem-estar para pessoas com mais de 50 anos quando passaram a ter animais de estimação em seus lares no período de pandemia

Idosos e animais de estimação: relacionamento mais disseminado com a pandemia. Crédito: Pietro Schellino/Unsplash

Muita atenção em torno dos “animais de estimação pandêmicos” se concentrou nas famílias com crianças que compraram um gato, cachorro ou outro animal de estimação em 2020, durante uma época em que muitas pessoas estavam aprendendo ou trabalhando em casa.

Mas uma pesquisa da Universidade de Michigan (EUA) mostra que os adultos mais velhos também aderiram à tendência.

De acordo com a Pesquisa Nacional sobre Envelhecimento Saudável dos EUA, 10% de todas as pessoas com idades entre 50 e 80 anos receberam um novo animal de estimação entre março de 2020 e janeiro de 2021.

O percentual era de fato maior – 16% – entre as pessoas nessa faixa etária que têm pelo menos um filho ou adolescente morando com elas. Mas a grande maioria das pessoas entre 50 e 80 anos não mora com alguém menor de 18 anos – e quase 9% delas também adquiriram um animal de estimação durante a pandemia de covid-19.

Redução de estresse

Ao todo, 59% das pessoas com idade entre 50 e 80 anos que completaram a pesquisa em janeiro de 2021 são donos de animais de estimação. Entre aqueles que disseram em janeiro ser donos de pets, 17% receberam pelo menos um desses animais desde o início da pandemia. A enquete não perguntou se esse era o primeiro animal de estimação ou um animal adicional.

A posse de animais de estimação foi maior entre aqueles com idade entre 50 e 64 anos, mulheres, entrevistados brancos e aqueles que vivem em casas unifamiliares ou estão empregados. Doze por cento dos adultos mais velhos empregados disseram que têm um animal de estimação desde março de 2020.

A pesquisa é baseada no Instituto de Política e Inovação de Saúde da Universidade de Michigan e recebe apoio da AARP e do Michigan Medicine (centro médico acadêmico da Universidade de Michigan).

Os novos dados são uma atualização de um relatório anterior da equipe de pesquisa, publicado em abril de 2019. O relatório completo mostrou que ter um animal de estimação os ajuda a aproveitar a vida, reduzir o estresse, ter um propósito e seguir uma rotina, bem como se conectar com outras pessoas e ser fisicamente ativo, especialmente para donos de cães. Entre os adultos mais velhos que viviam sozinhos ou estavam com saúde regular ou ruim quando a pesquisa de 2019 foi feita, quase três quartos disseram que o animal os ajudou a lidar com sintomas físicos ou emocionais.

Papel importante

Entre aqueles que moram sozinhos, o percentual de ter um animal de estimação saltou 12 pontos entre a amostra relatada em 2019 e a de janeiro de 2021. O papel dos animais de estimação como companheiros para idosos que vivem sozinhos é importante. Isso ficou ressaltado durante a pandemia, quando muitos idosos ficaram em casa devido ao maior risco de desenvolver covid-19 grave caso contraíssem o coronavírus.

A diretora da pesquisa, Preeti Malani, tem experiência direta em conseguir que um “filhote de cachorro pandêmico” se junte à sua família, que inclui um aluno do ensino médio que estuda em casa. É a primeira vez que eles têm algum tipo de animal de estimação.

Malani observa que, por um lado, o novo cachorro de sua família exigiu mais atenção do que eles esperavam – especialmente porque ela e seu marido são médicos ocupados que trabalham remotamente e face a face com os pacientes. Mas, por outro lado, caminhar, brincar e acariciar o cachorro tem sido uma distração bem-vinda em tempos difíceis.

“Sully foi uma ótima adição”, diz ela. “Ele garante que saímos todos os dias. Também conheci vários outros donos de cães na vizinhança.”

Recorde de adoções

O abrigo de animais mais próximo da Universidade de Michigan, a Humane Society of Huron Valley, teve taxas de adoção recorde no ano passado, disse Wendy Welch, diretora de comunicações.

“Estamos muito satisfeitos em ver não apenas animais dignos recebendo lares, mas também em ver as pessoas receberem o tão necessário amor incondicional”, diz ela. “Embora os avós tenham ficado tristemente separados do abraço dos netos, amigos peludos podem se aconchegar. Está bem documentado que os animais de estimação podem ajudar a reduzir a pressão arterial, aliviar a ansiedade e melhorar os sintomas de depressão. E de particular interesse durante esta pandemia de isolamento, animais de companhia certamente afastam o assassino silencioso: a solidão. Somos muito gratos aos adultos mais velhos que abriram seus corações e casas para abrigar animais durante esse tempo.”

Os dados da pesquisa de janeiro vêm de uma amostra de 2.019 pessoas, semelhante em tamanho à amostra relatada no relatório anterior sobre animais de estimação.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago