• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Cultura03/12/2021

‘The Beatles: Get Back’ encobre o fim amargo da banda

Beatles: série de Peter Jackson produzida a partir das filmagens de Michael Lindsey-Hogg para “Let It Be” mostra também momentos felizes e descontraídos dos quatro de Liverpool, mas momentos que prenunciavam a separação também estão bem perceptíveis lá

03/12/21 - 17h25min

No novo filme The Beatles: Get Back, o diretor de O Senhor dos Anéis, Peter Jackson, tenta desfazer o mito da separação dos Beatles.

Em 1970, Michael Lindsay-Hogg lançou Let It Be, um filme que documenta as sessões de gravação da banda para seu álbum homônimo. O filme retratou George Harrison discutindo com Paul McCartney – e chegou aos cinemas logo após a notícia da separação da banda. Muitos cinéfilos na época presumiram que isso representava os dias e semanas durante os quais tudo desmoronou.

Quando chegou aos cinemas, quase 16 meses após as filmagens, essa filmagem do ensaio foi confundida com um período de tempo completamente diferente.

Em 2016, Jackson ganhou acesso às filmagens originais de Lindsay-Hogg. Ao longo de quatro anos, ele editou em uma série de oito horas e três partes, graças a um contrato de streaming com a Disney+.

Ânsia por revisão

Em suas rodadas de imprensa, Jackson e McCartney estavam ansiosos para reformular o legado desse período.

“Fiquei esperando todas as coisas desagradáveis ​​começarem a acontecer, esperando as discussões e as disputas e as brigas, mas nunca vi isso”, disse Jackson ao The Guardian e outros. “Era o contrário. Foi realmente divertido.”

“Vou lhe dizer o que é realmente fabuloso sobre isso, mostra nós quatro nos divertindo”, disse McCartney ao The Sunday Times depois de ver o filme. “Foi uma grande confirmação para mim.”

Parece estar funcionando: uma manchete recente do New York Times proclamava: “Sabe como os Beatles terminaram? Peter Jackson pode mudar sua mente”.

Muitas dessas sessões contêm as piadas irreprimíveis que tornaram os Beatles famosos. (Lennon e McCartney cantando “Two of Us” em um tom escocês grandioso quase roubam a Parte Três.) Mas em suas entrevistas, Jackson e McCartney acentuam o positivo como se estivessem encobrindo a história amarga dos processos judiciais, a perda do catálogo de músicas de Lennon-McCartney e as carreiras solo cambaleantes que se seguiram.

Cronologia confusa

O momento do lançamento no teatro das sessões de Let It Be semeou confusão sobre como o grupo se desenrolou.

Let it Be foi filmado em janeiro de 1969, poucas semanas após o White Album (Álbum Branco) chegar às lojas.

A banda então colocou essas fitas de lado para trabalhar no projeto maior que intuiu desse material, Abbey Road, que eles completaram sete meses depois.

A separação realmente aconteceu em uma reunião de setembro de 1969, quando Lennon disse aos outros que queria o “divórcio”. Eles o persuadiram a manter sua partida em segredo até que a banda concluísse algumas negociações de contrato. Então, em março de 1970, McCartney proclamou publicamente que estava “deixando os Beatles” para lançar seu primeiro álbum solo.

Seguiu-se uma queda épica em processos, contrafatos e disputas de imprensa. Harrison até escreveu uma música chamada “Sue Me Sue You Blues”.

Somente em maio de 1970 o álbum e filme Let It Be foram lançados, com o divórcio complicado da banda como pano de fundo.

Sumiço

Após a exibição inicial nas telas, Let It Be sumiu de vista. Por décadas, a única maneira de dar uma olhada nele era por meio de uma cópia do mercado negro. O estilo verité à la Andy Warhol, tão-real-que-é-chato – a abordagem não narrativa então em voga – confundiu até mesmo o público de 1970.

Mas como o álbum e filme Let It Be foram lançados depois de Abbey Road – que foi lançado em setembro de 1969 –, eles rapidamente foram confundidos com um telegrama de sua separação, uma crença que os próprios Beatles pareciam internalizar.

As próprias memórias traumáticas dos Beatles desse período mantiveram as imagens brutas desse projeto nos cofres por mais de 50 anos. Nesse ínterim, os bootleggers publicaram quase todo o seu áudio.

Trailer de “The Beatles: Get Back”
Conflito em fermentação

Agora em uma mudança significativa, os Beatles restantes – McCartney e Ringo Starr – parecem ter contratado Jackson para uma operação de resgate, falsamente chamando o filme de um “documentário” quando, na verdade, atuaram como produtores executivos ao lado de seus diretores da Apple Records, Jeff Jones e Ken Kamins.

Em resposta à série de três partes de Jackson, que coincidiu com o lançamento de um livro de transcrições das sessões de Let It Be e as memórias de composição de McCartney, Lyrics, meios de comunicação em todo o mundo parecem ter abraçado essa nova versão da história: que essas sessões realmente foram digitalizadas como alegres, e então – puf! – as cicatrizes haviam sumido.

Mas a coisa estranha e cativante sobre a edição de Jackson surge de como ela exibe uma mistura instável de rotina e conflito.

Apesar da greve de Harrison e das contínuas divergências sobre o que o projeto era – primeiramente um programa de TV, depois um longa-metragem e um álbum, que precisava de um show no telhado para uma “compensação” –, a banda finalmente se reuniu para escrever as faixas agora clássicas “Something”, “Oh! Darling”, “Octopus’s Garden”, “She Came in Through the Bathroom Window” e “Maxwell’s Silver Hammer”, junto com “Polythene Pam” e “I Want You”, de Lennon.

Momento-chave

Assim, Get Back de Jackson esclarece a determinação dos Beatles em retomar o trabalho e colocar suas disputas extramusicais de lado. A música os puxa inexoravelmente para a frente, e eles confiam nesses fragmentos das primeiras canções o suficiente para carregá-los. Eles tiveram brigas e abandonos e incertezas e fracassos, e sempre encontraram seu caminho. Para Lindsay-Hogg e o público de 1970, tudo isso parecia confuso e tenso – a banda mantinha o controle sobre as disputas internas. Para os próprios Beatles, e para qualquer pessoa que já trabalhou para manter uma banda junta, parecia algo normal.

Dizer a uma pessoa comum para assistir a oito horas de dúvidas carregadas e material bruto e não desenvolvido é um pedido e tanto. Como The Onion brincou, “O novo documentário dos Beatles dá ao homem uma apreciação maior de quanto tempo oito horas representam”.

Mas há um momento na Parte Dois da série de Jackson – o primeiro dia no set em que Harrison não aparece – quando o resto da banda fica sentado conversando sobre a situação. McCartney de repente fica quieto. A câmera permanece nele, e você pode vê-lo deslizar para um olhar de mil metros enquanto contempla as incertezas que se aproximam. Ele não chega a chorar, mas parece tão indefeso como sempre, e notavelmente hesitante.

O momento pega porque é tão fora do personagem – McCartney raramente se mostra sem véu, sem simulacro. O plano se prolonga e mede o homem e o projeto, o quanto eles têm que superar e como tudo de repente parece precário.

Cicatrizes profundas

Em retrospecto, o milagre não é que eles tenham terminado Let It Be, mas como essas sessões serviram de aquecimento para sua volta final, Abbey Road. Depois de mudar as expectativas com os avanços contrastantes de Sgt. Pepper e o Álbum Branco, descobrir o que fazer a seguir teria confundido almas inferiores.

Aquela lacuna de cinco décadas em que os fãs esperaram por um Let It Be remodelado diz muito sobre como janeiro de 1969 pareceu tenso para seus quatro protagonistas – e como essas cicatrizes foram profundas.

* Tim Riley é professor associado e diretor do programa de pós-graduação em jornalismo no Emerson College (EUA).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


Abbey Road