• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência26/07/2022

Tiranossauro era mesmo uma única espécie, conclui novo estudo

Tiranossauro alimentando-se: não há evidências sólidas de que existissem espécies diferentes desse dinossauro. Crédito: © Mark Witton 2022

26/07/22 - 11h03min

Um novo estudo refuta uma afirmação provocativa feita no início deste ano de que os fósseis classificados como o dinossauro Tyrannosaurus rex representam três espécies distintas. A refutação, publicada na revista Evolutionary Biology e liderada por paleontólogos do Museu Americano de História Natural e do Carthage College (EUA), conclui que a proposta anterior carece de evidências suficientes para dividir as espécies icônicas.

“O Tyrannosaurus rex continua sendo o único verdadeiro rei dos dinossauros”, disse o coautor do estudo Steve Brusatte, paleontólogo da Universidade de Edimburgo (Reino Unido) que conduziu seu doutorado enquanto trabalhava no Museu Americano de História Natural. “Recentemente, uma teoria ousada foi anunciada com muito alarde: o que chamamos de T. rex era na verdade múltiplas espécies. É verdade que os fósseis que temos são um pouco variáveis ​​em tamanho e forma, mas, como mostramos em nosso novo estudo, essa variação é pequena e não pode ser usada para separar os fósseis em grupos facilmente definidos. Com base em todas as evidências fósseis que temos atualmente, o T. rex permanece sozinho como o único predador gigante do final da Era dos Dinossauros na América do Norte.”

Amostra limitada

Em março de 2022, os autores do controverso estudo, também publicado na Evolutionary Biology, defenderam que o T. rex deveria ser reclassificado em três espécies: o T. rex padrão, o mais volumoso T. imperator e o mais magro T. regia. O estudo foi baseado na análise dos ossos da perna e dos dentes de 38 espécimes de tiranossauros.

Os autores do novo estudo revisitaram os dados apresentados no artigo anterior e também adicionaram dados de 112 espécies de dinossauros vivos – pássaros – e de quatro dinossauros terópodes não aviários. Eles descobriram que o argumento de múltiplas espécies foi baseado em uma amostra comparativa limitada, medições não comparáveis ​​e técnicas estatísticas impróprias.

“O estudo deles afirmou que a variação nos espécimes de T. rex era tão alta que eles provavelmente eram de várias espécies intimamente relacionadas de dinossauros carnívoros gigantes”, disse James Napoli, coautor principal do novo estudo de refutação e doutorando em Escola de Graduação Richard Gilder do Museu Americano de História Natural. “Mas essa afirmação foi baseada em uma amostra comparativa muito pequena. Quando comparados com dados de centenas de pássaros vivos, descobrimos que o T. rex é menos variável do que a maioria dos dinossauros terópodes vivos. Essa linha de evidência para várias espécies propostas não se sustenta.”

“Determinar a variação em animais extintos há muito tempo é um grande desafio para os paleontólogos”, disse o coautor Thomas Carr, do Carthage College. “Nosso estudo mostra que análises estatísticas rigorosas baseadas em nosso conhecimento de animais vivos são a melhor maneira de esclarecer os limites das espécies extintas. Em termos práticos, o modelo de três espécies é tão mal definido que muitos exemplares excelentes não podem ser identificados. Esse é um claro sinal de alerta de uma hipótese que não mapeia o mundo real.”

Espécie icônica

O artigo original afirmava que a variação no tamanho do segundo dente no maxilar inferior, além da robustez do fêmur, indicava a presença de múltiplas espécies. Mas os autores do novo estudo não conseguiram replicar os achados dos dentes e recuperaram resultados diferentes de suas próprias medições dos mesmos espécimes. Além disso, os autores do novo estudo questionaram como os “pontos de interrupção” para cada espécie usando essas características foram determinados estatisticamente. A análise estatística no estudo original definiu o número de grupos antes da execução do teste, portanto não é útil para testar a hipótese, segundo os autores do novo estudo. No estudo mais recente, uma técnica estatística diferente foi usada para determinar quantos agrupamentos existem nos dados sem nenhuma suposição avançada, descobrindo que eles são mais bem considerados como um único grupo – em outras palavras, uma espécie – T. rex.

“Os limites das espécies vivas são muito difíceis de definir: por exemplo, os zoólogos discordam sobre o número de espécies vivas de girafas”, disse o coautor Thomas Holtz, da Universidade de Maryland (EUA) e do Museu Nacional de História Natural. “Torna-se muito mais difícil quando as espécies envolvidas são antigas e conhecidas apenas a partir de um número bastante pequeno de espécimes. Outras fontes de variação – mudanças com o crescimento, com a região, com o sexo e com as boas e antiquadas diferenças individuais – precisam ser rejeitadas antes que se aceite a hipótese de que dois conjuntos de espécimes são de fato espécies separadas. Em nossa opinião, essa hipótese ainda não é a melhor explicação.”

“O T. rex é uma espécie icônica e incrivelmente importante tanto para a pesquisa paleontológica quanto para a comunicação ao público sobre ciência, por isso é importante que façamos isso direito”, disse o coautor David Hone, da Queen Mary University de Londres (Reino Unido). “Ainda existe uma boa chance de que haja mais de uma espécie de tiranossauro por aí, mas precisamos de fortes evidências para tomar esse tipo de decisão.”

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


Carthage College