• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência22/06/2022

Tolerância e cooperação nas relações de bonobos abriram caminho para a paz humana

O aliciamento compartilhado entre os bonobos é indicativo de sua dinâmica de grupo, que inclui tolerância e cooperação. Crédito: Martin Surbeck

22/06/22 - 13h19min

Os humanos exibem uma capacidade de tolerância e cooperação entre grupos sociais que é rara no reino animal, apesar de nossa longa história de guerra e conflitos políticos. Mas como chegamos a esse ponto?

Os cientistas acreditam que os bonobos podem servir como modelo evolutivo. Esses primatas ameaçados de extinção compartilham 99% de seu DNA com os humanos e têm a reputação de geralmente serem amantes da paz e sexualmente ativos – os pesquisadores se referem a eles brincando como “macacos hippies”. E as interações entre seus grupos sociais são consideradas muito menos hostis do que entre seus primos mais violentos, os chimpanzés.

Alguns, no entanto, contestaram isso devido à falta de dados detalhados sobre como esses grupos funcionam e como eles se separam. Um novo estudo sobre a estrutura social dos bonobos liderado por dois primatologistas da Universidade Harvard (EUA), Liran Samuni e Martin Surbeck, pode começar a preencher algumas lacunas.

Passo necessário

A pesquisa, publicada na revista PNAS, mostra que quatro grupos vizinhos de bonobos estudados na Reserva Kokolopori Bonobo, na República Democrática do Congo, mantiveram fronteiras sociais e espaciais exclusivas e estáveis ​​entre eles, mostrando que de fato fazem parte de grupos sociais distintos que interagem de forma regular e pacífica uns com os outros.

“Foi um primeiro passo muito necessário”, disse Samuni, pós-doutoranda no Pan Lab de Harvard e principal autora do artigo. “Agora que sabemos que, apesar do fato de que eles passam tanto tempo juntos, as populações de bonobos [vizinhos] ainda têm esses grupos distintos, podemos realmente examinar o modelo bonobo como algo que é potencialmente o bloco de construção ou o estado sobre o qual nós humanos evoluímos nosso caminho para sociedades mais complexas e de vários níveis e cooperação que se estende além das fronteiras.”

O estudo é resultado de três anos consecutivos de observação (de 2017 a 2019) da comunidade bonobo na reserva Kokolopori. Pesquisas anteriores mostraram evidências de 59 bonobos formando quatro grupos separados que se cruzavam rotineiramente para interagir, cuidar uns dos outros e compartilhar refeições. O que não ficou claro é até que ponto o comportamento desses grupos de bonobos se assemelha ao dos subgrupos de chimpanzés que se formam dentro de uma comunidade maior.

Os primatologistas referem-se aos subgrupos de chimpanzés, que são altamente territoriais e hostis aos de diferentes comunidades, como bairros. Essencialmente, os membros desses subgrupos não passam todo o tempo juntos como parte de um grande grupo, mas ainda fazem parte dele, mantendo relacionamentos uns com os outros e (mais importante) não brigando entre si quando se encontram.

Estudo complexo

Os bonobos têm sido muito menos estudados do que os chimpanzés devido à instabilidade política e aos desafios logísticos para estabelecer locais de pesquisa nas florestas da República Democrática do Congo, o único lugar onde esses primatas são encontrados. Além disso, estudar as relações entre e entre os grupos de bonobos foi ainda mais complicado pelo fato de que os subgrupos parecem se misturar com alguma frequência.

“Não há realmente indicações comportamentais que nos permitam distinguir este é o grupo A, este é o grupo B quando eles se encontram”, disse Samuni. “Eles se comportam da mesma maneira que se comportam com os membros de seu próprio grupo. As pessoas estão basicamente nos perguntando: como sabemos que são dois grupos diferentes? Talvez, em vez de serem dois grupos diferentes, esses grupos sejam apenas um grupo muito grande composto de indivíduos que simplesmente não passam todo o tempo juntos [como vemos nos bairros de chimpanzés]”.

Para chegarem à resposta, pelo menos dois observadores da reserva acompanharam cada grupo de bonobos diariamente do amanhecer ao anoitecer, registrando dados comportamentais e de localização que foram então analisados.

Os pesquisadores rastrearam principalmente quanto tempo os bonobos individuais passavam juntos, com quem e em quais atividades eles se engajavam. Isso ajudou os pesquisadores a realizar um método estatístico chamado análise de agrupamento. Esse método agrupa os pontos de dados em um aglomerado para que os pontos do mesmo grupo sejam reunidos em um gráfico, enquanto os pontos de dados que não estão no mesmo grupo são reunidos em outro espaço.

Consistência e estabilidade

Essencialmente, eles rastrearam quais bonobos compartilhavam associações significativas uns com os outros, quais tendiam a se reunir para as refeições com mais frequência, quais tendiam a ficar juntos quando confrontados com a escolha de com quem ir e quais interagiam mais na mesma área. Isso os ajudou a traçar distinções claras entre o que os bonobos faziam parte do mesmo grupo e quando os membros de um grupo estavam interagindo pacificamente com grupos vizinhos além das fronteiras uns dos outros.

Eles compararam isso com dados coletados em 104 chimpanzés que viveram na comunidade Ngogo no Parque Nacional Kibale, em Uganda, entre 2011 e 2013.

Os pesquisadores descobriram que os agrupamentos de bonobos eram em geral mais consistentes e estáveis ​​do que os subgrupos de chimpanzés. Isso sugere que os bonobos dentro de cada grupo tinham uma preferência social mais forte uns pelos outros do que os observados nos subgrupos de chimpanzés.

Quando se trata dos bonobos de Kokolopori, isso ajudou os pesquisadores não apenas a confirmar os quatro grupos – que eles chamaram de Ekalakala, Kokoalongo, Fekako e Bekako –, mas também a encontrar uma maneira confiável de prever quais bonobos tinham maior probabilidade de ficar juntos quando os diferentes grupos de bonobos se encontrassem e se separassem.

Janela se fechando

Samuni e Surbeck, professor assistente do Departamento de Biologia Evolutiva Humana e autor sênior do artigo, dizem que os resultados mostram que os bonobos, como os humanos, são capazes de relacionamentos complicados fora de sua rede central imediata.

Agora que os pesquisadores estabeleceram firmemente que esses bonobos têm grupos distintos, eles querem aprofundar como ocorrem a cooperação e as trocas entre esses grupos e se isso pode representar potencialmente o que parecia em nosso ancestral comum. Isso ajudaria a explicar como os humanos, até certo ponto, superaram o antagonismo entre diferentes grupos e desenvolveram uma cooperação pacífica.

Surbeck, que fundou e dirige o Kokolopori Bonobo Research Project, aponta que a janela para obter esses conhecimentos poderosos está se fechando à medida que os bonobos estão à beira da extinção. “Restam muito poucos”, disse ele. “Reunimos aqui informações que potencialmente não estarão mais disponíveis em 50 anos se as coisas continuarem do jeito que estão.”

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

bonobo