Traje robótico criado em Harvard ajuda a caminhar e a correr

O exotraje é mais um passo rumo à criação de dispositivos robóticos portáteis capazes de melhorar a vida de pessoas saudáveis e daquelas com ferimentos ou necessidade de reabilitação

Mais de 90% do peso do dispositivo está situado perto do centro de massa do corpo. Foto: Instituto Wyss, Harvard

Pesquisadores da Universidade Harvard e da Universidade de Nebraska em Omaha (EUA) desenvolveram um exotraje portátil que auxilia na extensão específica do quadril em caminhadas e corridas. Abordada na edição de 15 de agosto da revista “Science” e no site do Instituto Wyss, de Harvard, a exoveste, leve, é feita de componentes têxteis usados ​​na cintura e nas coxas. Seu sistema de acionamento móvel, preso à parte inferior das costas, é controlado por um algoritmo que detecta a transição de caminhada para corrida e vice-versa.

Em testes internos baseados em esteira, a equipe mostrou pela primeira vez que o exotraje reduziu para os usuários, em média, os custos metabólicos da caminhada em 9,3% e da corrida em 4% em comparação com quando eles andavam e corriam sem a peça. “Ficamos empolgados em ver que o dispositivo também teve bom desempenho durante a subida, em diferentes velocidades de corrida e durante testes externos, o que mostrou a versatilidade do sistema”, disse Conor Walsh, professor de Harvard que liderou o estudo.

LEIA TAMBÉM: Exoesqueleto na fábrica

“Embora as reduções metabólicas que encontramos sejam modestas, nosso estudo demonstra que é possível ter um robô portátil que seja utilizado em uma única atividade, ajudando a preparar o caminho para que esses sistemas se tornem onipresentes em nossas vidas”, acrescentou ele.

Simplicidade e leveza

O exotraje de quadril foi desenvolvido como parte do antigo programa Warrior Web da Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (Darpa) e representa a culminação de anos de pesquisa e otimização desse tipo de tecnologia pelos pesquisadores.

O artefato foi projetado para ser mais simples e mais leve em relação a um modelo multiarticular anterior. Ele auxilia o usuário através de um sistema de atuação por cabo. Os cabos aplicam uma força de tração entre a cintura abdominal e as coxas para gerar um torque externo de extensão na articulação do quadril que funciona em conjunto com os músculos glúteos.

O dispositivo pesa 5 kg no total, com mais de 90% do seu peso localizado próximo ao centro de massa do corpo. “Essa abordagem para concentrar o peso, combinada com a interface de vestuário flexível, minimiza a carga energética e a restrição de movimento para o usuário”, disse o primeiro coautor Jinsoo Kim, aluno de pós-graduação no grupo de Walsh. “Isso é importante para andar, mas ainda mais para correr enquanto os membros se movem para frente e para trás muito mais rapidamente.”