Trapaceiros são atraídos pela oportunidade de trapacear

Estudo mostra que algumas pessoas procuram conscientemente situações nas quais trapacear. Para elas, mentir tem um custo psicológico mais baixo

A possibilidade de trapacear atrai um número considerável de pessoas. Crédito: Pikrepo

Que uma oportunidade favorável leva as pessoas a trapacear é um fato bem conhecido. Mas quantas pessoas aproveitam quando surge essa oportunidade? E quantos preferem uma alternativa honesta?

Economistas do Instituto Max Planck de Direito Tributário e Finanças Públicas e da Escola de Economia e Direito de Berlim abordaram essas questões em um estudo experimental, publicado na revista Experimental Economics. Eles descobriram que as pessoas não apenas trapaceiam quando surge a oportunidade, mas também procuram conscientemente essas situações. E se a chance se apresentar, elas são muito mais propensas a aproveitá-la do que aquelas que teriam preferido evitar tal situação e foram apanhadas involuntariamente (no estudo: 73% vs. 22%).

Custo da mentira

Se as pessoas são corruptíveis nesse sentido, isso está relacionado aos custos que a mentira lhes causa por razões morais ou normas sociais. Entre os participantes do estudo, 50% se abstiveram de trapacear inteiramente no experimento. Já cerca de 30% não hesitaram em mentir, e cerca de 20%, que realmente optaram por oportunidades de ganho mais honestas, no entanto, aproveitaram a oportunidade para trapacear quando ela se apresentou.

“Mostramos que as pessoas escolhem oportunidades de ganho honestas e desonestas de acordo com seus custos mentirosos e, após a autosseleção, também são mais propensas a trapacear ou permanecer honestas. diz Sven A. Simon, um dos autores do estudo. “De acordo com nossos resultados, pessoas desonestas, por exemplo, também podem estar mais inclinadas a escolher empregos que abram oportunidades de trapaça. Os procedimentos de triagem correspondentes para candidatos a empregos podem ser úteis.”

Para responder às suas perguntas de pesquisa, Kai Konrad e Sven Simon, do Instituto Max Planck de Direito Tributário e Finanças Públicas, e Tim Lohse do HWR Berlin (Alemanha), conduziram um experimento de laboratório em vários estágios no qual os participantes poderiam ganhar uma certa quantia de dinheiro, seja alegando lucro falsamente ou fazendo investimentos que aumentaram suas chances de ganhar. Mais precisamente, esses participantes foram expostos a duas situações diferentes de tomada de decisão em que seu comportamento foi observado e comparado.

Rodadas “honesta” e “desonesta”

Na rodada “honesta”, os sujeitos participaram de um sorteio. Receberam um bilhete de loteria que muito provavelmente não estava em branco e os deixava de mãos abanando, mas, com uma probabilidade baixa, rendia 12 euros. Este bilhete de loteria veio de graça. No entanto, por uma sobretaxa, eles poderiam trocar o bilhete por outro com uma probabilidade significativamente maior de ganhar.

Em seguida, eles foram questionados sobre quanto estariam dispostos a pagar no máximo por uma troca de bilhetes. Nessa situação, quase todos os participantes se mostraram dispostos a pagar algo pelo bilhete de loteria “bom”. Para muitos, essa disposição de pagar alcançou uma quantia em que os ganhos esperados do bilhete “bom” eram maiores do que para o bilhete “ruim”, ou mesmo além.

Mas e se os 12 euros também pudessem ser ganhos trapaceando? Os sujeitos encontraram tal situação na rodada “desonesta”. Nessa, não era o resultado real da loteria que determinava seus ganhos. Em vez disso, eles teriam que declarar o resultado por si próprios e poderiam simplesmente relatar que haviam vencido. Sem prova ou verificação, eram pagos 12 euros.

Também nessa situação, os sujeitos foram capazes de trocar o bilhete “mau” com baixa probabilidade de ganhar pelo bilhete “bom” com uma probabilidade significativamente maior de ganhar pagando um preço. Como os economistas haviam presumido, a disposição de pagar pelo bilhete “bom” era menor nessa rodada “desonesta”. No entanto, houve diferenças pronunciadas. Dos participantes, 34% reduziram sua disposição de pagar em comparação com a situação “honesta”, em alguns casos consideravelmente. Já 61% mostraram uma disposição de pagar inalterada. E 5% estavam dispostos a pagar mais.

Disposição pessoal supera oportunidade de trapaça

O experimento também mostrou que aqueles que, apesar da oportunidade de trapacear, estavam dispostos a pagar pelo bilhete “bom permaneceram honestos em sua maioria, mesmo que o bilhete estivesse em branco. Por outro lado, aqueles que não compraram o bilhete “bom” também foram em sua maioria desonestos quando surgiu a oportunidade.

Na situação de honestidade forçada, os participantes desonestos estavam dispostos a pagar pelo bilhete “bom” tanto quanto os honestos. Na situação com a oportunidade para mentir, no entanto, a disposição de pagar dos sujeitos desonestos era significativamente menor. Então, eles conscientemente escolheram mentir.

Mais precisamente: entre as pessoas com pouca vontade de pagar pelo bilhete de loteria “bom”, 73% mentiram e trapacearam por 12 euros, embora na verdade tivessem saído de mãos vazias. Em contraste, dos sujeitos com alta disposição para pagar, apenas 22% decidiram mentir se perdessem, apesar da alta probabilidade de ganhar.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago