• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Featured17/05/2022

Tratamento revolucionário para catarata obtém novo avanço

Catarata no olho humano. Crédito: Wikipedia

17/05/22 - 10h30min

Um novo tratamento revolucionário para a catarata mostrou resultados extremamente positivos em testes de laboratório, dando esperança de que a doença, que atualmente só pode ser curada com cirurgia, possa em breve ser tratada com medicamentos. Os resultados foram publicados na revista Investigative Ophthalmology and Visual Science.

A catarata é uma turvação do cristalino que se desenvolve ao longo do tempo e afeta a qualidade da visão. É causada por uma desorganização das proteínas no cristalino que leva à formação de aglomerados de proteínas, os quais espalham a luz e reduzem severamente a transmissão para a retina. A catarata causa perda de visão e cegueira para milhões de pessoas em todo o mundo.

Uma equipe de cientistas internacionais, liderada pela professora Barbara Pierscionek, vice-reitora de Pesquisa e Inovação da Faculdade de Saúde, Educação, Medicina e Assistência Social da Universidade Anglia Ruskin, em Cambridge (Reino Unido), vem realizando testes ópticos avançados em um composto de oxisterol que havia sido proposto como uma droga anticatarata.

Restauração

Em testes de laboratório, o tratamento com o composto de oxisterol VP1-001 mostrou uma melhora nos perfis de índice de refração – um parâmetro óptico fundamental necessário para manter a alta capacidade de foco – em 61% das lentes. Isso significa que a organização proteica da lente está sendo restaurada, resultando em uma melhor capacidade de foco da lente. Isso foi apoiado por uma redução na opacidade da lente em 46% dos casos.

A professora Pierscionek, que também integra o Centro de Pesquisa de Tecnologia Médica da Universidade Anglia Ruskin, disse: “Este estudo mostrou os efeitos positivos de um composto que foi proposto como uma droga anticatarata, mas nunca antes testado em a ótica da lente. É a primeira pesquisa desse tipo no mundo”.

Ela prosseguiu: “Isso mostrou que há uma diferença notável e melhora na ótica entre os olhos com o mesmo tipo de catarata que foram tratados com o composto em comparação com aqueles que não foram. Ocorreram melhorias em alguns tipos de catarata, mas não em todos, indicando que este pode ser um tratamento para cataratas específicas. Isso sugere que pode ser necessário fazer distinções entre os tipos de catarata ao desenvolver medicamentos anticatarata. É um passo significativo na direção de tratar essa condição extremamente comum com drogas em vez de cirurgia”.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

Barbara Pierscionek