Três povos estão na origem da moderna população do Japão

Estudo de DNA incorporou migrantes kofun saídos da Península da Coreia aos já conhecidos nativos jomon e agricultores yayoi como populações que originaram os atuais japoneses

Japoneses contemporâneos: origem genética em três povos diferentes. Crédito: Pikrepo

O DNA antigo extraído de ossos humanos reescreveu a história inicial do Japão, sublinhando que as populações modernas do país asiático têm uma origem genética tripartida. Essa descoberta refina visões anteriormente aceitas de uma ancestralidade genômica dual. O estudo a esse respeito foi publicado na revista Science Advances.

O arquipélago japonês foi ocupado por humanos por pelo menos 38 mil anos, mas o Japão passou por rápidas transformações apenas nos últimos 3 mil anos – primeiramente, da coleta de alimentos para o cultivo de arroz úmido e, em seguida, para um estado imperial tecnologicamente avançado.

A hipótese anterior e de longa data sugeria que as populações japonesas das ilhas maiores derivam de ancestralidade dupla dos caçadores-coletores-pescadores indígenas jomon, que habitaram o arquipélago japonês entre cerca de 16 mil e 3 mil anos atrás, e posteriormente de agricultores yayoi, que migraram do continente asiático e viveram no Japão por volta de 900 a.C. a 300 d.C.

Abrigo de rocha Kamikuroiwa, em Kumakogen, distrito de Kamiukena, Prefeitura de Ehime de Shikoku: local onde o indivíduo jomon mais antigo sequenciado no estudo foi encontrado. Crédito: Shigeki Nakagome, pesquisador principal, professor assistente em psiquiatria, Escola de Medicina, Trinity College Dublin
Conhecimento prévio escasso

Mas 12 genomas japoneses antigos recentemente sequenciados – originários de ossos de pessoas que viveram nos períodos pré- e pós-agrário – também identificam um influxo posterior de ancestrais da Ásia Oriental durante o período imperial Kofun, de cerca de 300 d.C. a 700 d.C., que viu o surgimento da centralização política no Japão.

Shigeki Nakagome, professor assistente de psiquiatria na Escola de Medicina do Trinity College Dublin (Irlanda), liderou a pesquisa, que reuniu uma equipe interdisciplinar de pesquisadores do Japão e da Irlanda. Ele disse: “Os pesquisadores têm aprendido cada vez mais sobre as culturas dos períodos Jomon, Yayoi e Kofun à medida que mais e mais artefatos antigos aparecem. Mas antes de nossa pesquisa sabíamos relativamente pouco sobre as origens genéticas e o impacto da transição agrícola e a posterior fase de formação do estado”.

Nakagome prosseguiu: “Agora sabemos que os ancestrais derivados de cada uma das fases de caça e coleta, agrícola e de formação do estado deram uma contribuição significativa para a formação das populações japonesas hoje. Em suma, temos um modelo tripartido inteiramente novo de origens genômicas japonesas – em vez do modelo de ancestralidade dual que foi mantido por um tempo significativo”.

Cerâmica jomon do sambaqui Hirajo (Jomon Tardio) e um crânio do qual o DNA antigo foi extraído. Crédito: Shigeki Nakagome, pesquisador principal, professor assistente em psiquiatria, Escola de Medicina, Trinity College Dublin
Dados genômicos

Além da descoberta abrangente, as análises também descobriram que o povo jomon manteve um pequeno tamanho populacional efetivo, de cerca de 1.000 indivíduos ao longo de vários milênios, com uma profunda divergência das populações continentais datadas de 20 mil-15 mil anos atrás – um período que viu o Japão se tornar mais geograficamente insular através da elevação do nível do mar.

O arquipélago japonês tornou-se acessível através da Península Coreana no início do Último Máximo Glacial, cerca de 28 mil anos atrás, permitindo a movimentação entre eles. E o alargamento do Estreito da Coreia, entre 16 mil e 17 mil anos atrás, devido ao aumento do nível do mar, pode ter levado ao subsequente isolamento da linhagem jomon em relação ao resto do continente. Esses prazos também coincidem com as evidências mais antigas da produção de cerâmica jomon.

“O povo indígena jomon teve seu próprio estilo de vida e cultura únicos no Japão por milhares de anos antes da adoção do cultivo de arroz durante o subsequente período yayoi. Nossa análise claramente descobriu que eles eram uma população geneticamente distinta, com uma afinidade excepcionalmente alta entre todas as amostras de indivíduos – mesmo aqueles com idades diferentes em milhares de anos e escavados em locais em ilhas diferentes”, explicou o dr. Niall Cooke, pesquisador do Trinity College Dublin. “Esses resultados sugerem fortemente um período prolongado de isolamento do resto do continente.”

Cerâmicas jomon escavadas no sambaqui Odake (período Jomon Inicial). Um esqueleto enterrado nesse local apresentava uma prática específica de sepultamento em que o corpo era colocado em uma posição flexionada com as pernas dobradas. Crédito: Shigeki Nakagome, pesquisador principal, professor assistente em psiquiatria, Escola de Medicina, Trinity College Dublin
Assimilação em vez de substituição

A disseminação da agricultura é frequentemente marcada pela reposição da população, conforme documentado na transição neolítica na maior parte da Europa, com contribuições mínimas de populações de caçadores-coletores observadas em muitas regiões. No entanto, os pesquisadores encontraram evidências genéticas de que a transição agrícola no Japão pré-histórico envolveu o processo de assimilação, em vez de substituição, com contribuições genéticas quase iguais dos indígenas jomon e novos imigrantes associados ao cultivo de arroz úmido.

Várias linhas de evidências arqueológicas apoiam a introdução de novos grandes assentamentos no Japão, provavelmente do sul da península coreana, durante a transição Yayoi-Kofun. E as análises fornecem um forte suporte para o intercâmbio genético envolvido no surgimento de novos traços sociais, culturais e políticos nessa fase de formação do Estado.

“O arquipélago japonês é uma parte especialmente interessante do mundo para investigar usando uma série temporal de amostras antigas, dada sua excepcional pré-história de longa continuidade seguida por rápidas transformações culturais. Nossos conhecimentos sobre as complexas origens dos japoneses modernos mostram mais uma vez o poder da genômica antiga para descobrir novas informações sobre a pré-história humana que não poderiam ser vistas de outra forma”, acrescentou Dan Bradley, professor de genética populacional na Escola de Genética e Microbiologia do Trinity College Dublin, que coliderou o projeto.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago