• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Arqueologia17/03/2022

Tumbas de reis da Idade das Trevas são descobertas na Grã-Bretanha

“A Morte do Rei Artur”, de John Garrick (1862): as novas descobertas podem lançar novas luzes sobre o lendário rei britânico. Crédito: Wikimedia Commons

17/03/22 - 12h17min

Um novo estudo publicado na revista Journal of the Royal Society of Antiquaries of Ireland identificou os prováveis locais de ​​sepultamento de até 65 reis britânicos e membros da realeza da Idade das Trevas (entre os séculos 5 e 10 depois de Cristo). Antes desse trabalho, apenas uma tumba pós-romano de um monarca britânico nativo dessa época havia sido identificada – embora nove túmulos reais anglo-saxões tenham sido encontrados em escavações anteriores. Os arqueólogos agora sugerem que 20 prováveis ​​complexos funerários reais, cada um contendo até cinco sepulturas (com mais 11 complexos funerários em consideração) foram identificados. Sua datação varia entre os séculos 5 e 6 d.C.

Durante esse período, após o colapso da Grã-Bretanha romana, o leste e o sul da Inglaterra foram divididos em dezenas de pequenos reinos governados por reis anglo-saxões de origem total ou parcialmente germânica. No oeste e no norte, dinastias reais pós-romanas surgiram de origens dinásticas principalmente celtas nativas britânicas ou de origem irlandesa.

O estudo foi liderado pelo professor Ken Dark, da Universidade de Reading (Reino Unido) e da Universidade de Navarra (Espanha). Ele propôs que os locais identificados no País de Gales e nos condados da Cornualha, de Devon e de Somerset contenham sepultamentos reais nativos de alto status associados aos reinos britânicos de Gwynedd (noroeste do País de Gales), Dyfed (sudoeste do País de Gales), Powys (centro-leste do País de Gales), Brycheiniog (atual Breckonshire) e Dumnonia (agora sudoeste da Inglaterra).

Compreensão alterada

Os pesquisadores compararam esses locais previamente escavados com tumbas reais na Irlanda. Eles notaram que os sítios britânicos têm principalmente um recinto retangular ou quadrado. Vários desses lugares parecem ter portões de entrada e calçadas de acesso protegidos por cercas ou paliçadas.

As tumbas foram encontradas ao longo de várias décadas, mas os arqueólogos não haviam percebido seu provável status real até a pesquisa recém-publicada. Os nomes dos indivíduos enterrados, contudo, ainda não foram descobertos.

Entre os túmulos mais importantes estão os identificados em Caernarfon e Anglesey (no norte de Gales) e no famoso sítio de Tintagel, na Cornualha, que tem reivindicações associadas ao lendário rei Artur.

“Antes deste trabalho, desconhecíamos completamente o grande número de prováveis ​​sepulturas reais sobreviventes da Grã-Bretanha ocidental pós-romana. As investigações em andamento provavelmente ajudarão a mudar nossa compreensão de aspectos importantes desse período crucial da história britânica”, declarou o professor Dark ao jornal The Independent.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

Anglesey