Turismo religioso: uma das maiores vítimas da pandemia

A crise causada pelo coronavírus derrubou uma das mais antigas formas de viagem planejada, causando em 2020 queda de US$ 2,7 trilhões na receita e perda de mais de 100 milhões de empregos no setor

Cidade do Vaticano: um dos centros tradicionais de turismo religioso foi duramente abalados pela pandemia de covid-19. Crédito: Piqsels

O turismo religioso está entre as formas mais antigas de viagem planejada e até hoje continua a ser uma grande indústria.

Cerca de 300 a 330 milhões de turistas visitam os principais locais religiosos do mundo todos os anos, de acordo com uma estimativa de 2017. Cerca de 600 milhões de viagens religiosas nacionais e internacionais são feitas no mundo, gerando cerca de US$ 18 bilhões em receitas globais. É uma fatia considerável de um setor geral do turismo que foi significativamente afetado pela disseminação do coronavírus, com 63,8% dos viajantes reduzindo seus planos de viagem como resultado.

Conforme a covid-19 evoluiu para se tornar uma pandemia global, governos em todo o mundo fecharam locais sagrados e baniram temporariamente as viagens religiosas.

LEIA TAMBÉM: Vaticano abre arquivo secreto sobre a II Guerra Mundial

Afetou destinos populares de todas as religiões. Jerusalém, Cidade do Vaticano e Meca – que atraem milhões de visitantes judeus, cristãos e muçulmanos anualmente – estão entre as mais afetadas.

Uma preocupação de todas as religiões

Da mesma forma, locais budistas como o Templo Lumbini do Nepal e o Templo Mahabodhi da Índia, bem como o templo hindu de Kashi Vishwanath, sofreram uma queda no número de visitantes.

Isso teve enormes implicações financeiras para os países anfitriões.

Por exemplo, no ano passado, aproximadamente 2,5 milhões de muçulmanos de todo o mundo realizaram o hajj, um dos cinco pilares do Islã. Quase 2 milhões vieram de fora da Arábia Saudita.

No entanto, este ano apenas cerca de 10 mil pessoas deveriam fazer a peregrinação, observando medidas de distanciamento social.

O reino saudita geralmente ganha US$ 12 bilhões por ano com o hajj e a Umrah – uma pequena peregrinação que pode ser feita a qualquer momento durante o ano.

As peregrinações são vistas como uma forma de diversificar a economia de ser dependente do setor de petróleo. Visitas religiosas durante o ano todo contribuem com 20% do PIB não petrolífero do reino e cerca de 7% do PIB total.

A economia da Arábia Saudita já está sofrendo com o impacto dos preços baixos do petróleo, que levaram a um déficit orçamentário. Espera-se que ele diminua 6,8% em 2020.

Visita à Caaba, um dos momentos do hajj islâmico: dos 2,5 milhões de turistas habituais, Meca deverá receber 10 mil este ano. Crédito: Piqsels
Religião e receitas

A Arábia Saudita está longe de estar sozinha. A Jordânia, que abriga 35 locais e santuários islâmicos e 34 locais sagrados cristãos, fechou suas fronteiras por causa da covid-19. O turismo representa cerca de 15% do PIB do país e sustenta cerca de 55 mil empregos.

No ano passado, mais de 1 milhão de viajantes visitaram Wadi Musa, o Vale de Moisés, na Jordânia – um importante local onde Moisés teria produzido água de uma rocha. Até 80% da renda das pessoas na área depende do turismo.

As receitas do turismo na Jordânia caíram 10,7%, para US $ 1,1 bilhão no primeiro trimestre de 2020, com a propagação da pandemia.

É uma história semelhante em todo o Oriente Médio.

No Irã, apenas 20 mil turistas domésticos e 66 turistas estrangeiros visitaram Yazd – um patrimônio mundial da Unesco que data de 224 d.C. – entre março e junho de 2020. O local é um local sagrado para seguidores do Islã, do judaísmo e do zoroastrismo. O número de turistas este ano representa apenas 1% do valor do ano anterior.

Muro das Lamentações, em Israel: este ano, menos de 6 mil pessoas visitaram o país em junho, ante 365 mil no mesmo período em 2019. Crédito: Adam Jones/Wikimedia
Experiência devastadora

Em junho, apenas 5.800 pessoas visitaram Israel, um destino religiosamente importante para cristãos, muçulmanos e judeus, em comparação com 365 mil no mesmo mês em 2019. Espera-se que a pandemia resulte em um prejuízo de US$ 1,16 bilhão para a indústria do turismo do país, de acordo com a Associação de Hotéis de Israel.

Para alguns locais de peregrinação individuais proeminentes, a perda de receita foi devastadora – e é uma experiência compartilhada em todo o mundo.

A Igreja Católica Nossa Senhora de Lourdes, na França, costuma receber até 5 milhões de visitantes por ano. Mas, para conter a propagação na França, o santuário foi fechado, oferecendo apenas peregrinações virtuais. Isso resultou em um déficit de US$ 9,06 milhões para o santuário.

Muitos lugares de peregrinação sustentam toda uma indústria de viagens, transporte e hospedagem, e tudo o que foi atingido.

Para todo o setor de viagens, essa crise sem precedentes resultou em uma queda de US$ 2,7 trilhões na receita e na perda de mais de 100 milhões de empregos em 2020. A Organização Mundial do Turismo das Nações Unidas estima que, para o ano, as chegadas internacionais cairão entre 850 milhões e 1,1 bilhão, dependendo de quando as fronteiras forem totalmente reabertas.

Bem-estar espiritual

E não se trata apenas do golpe financeiro. A incerteza e a ansiedade relacionadas à covid-19 também afetam a saúde psicológica e mental das pessoas. Muitas pessoas se entregam ao turismo religioso por motivos de conforto espiritual ou para orar por perdão ou salvação.

Para outros, é uma forma de demonstrar sua devoção a uma fé. Em algumas religiões, existe a crença de que todos os indivíduos saudáveis ​​e financeiramente capazes devem empreender uma viagem aos seus respectivos locais sagrados pelo menos uma vez na vida. Isso é verdade, por exemplo, para os muçulmanos e para a participação no hajj.

Como tal, as pessoas podem ter guardado suas economias a vida inteira e planejado essa viagem por anos. Ter de abandonar esses planos devido a restrições de viagem ou ao fechamento de locais religiosos pode ser particularmente angustiante.

Subsídios governamentais e pacotes de ajuda, junto com a implementação de medidas abrangentes de segurança e recuperação, podem ajudar a reviver a confiança do cliente e aumentar o número de viagens.

Mas, como estudiosos da indústria de viagens, acreditamos que, devido às restrições de viagens em curso e à queda na confiança nas viagens em meio à pandemia, os países com forte dependência do turismo provavelmente continuarão a enfrentar desafios. E a incerteza e a possibilidade de novas ondas de vírus podem prejudicar ainda mais a indústria do turismo, incluindo as viagens religiosas.

 

* Faizan Ali é professor assistente de hospitalidade e turismo da Universidade do Sul da Flórida (EUA); Cihan Cobanoglu é professor de Hotelaria e Turismo da Universidade do Sul da Flórida.

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança