Casal de sapos-aquático-de-sehuencas precisa salvar a espécie

Espera-se que fêmea encontrada na natureza recentemente procrie com macho que vive há 10 anos em museu na Bolívia

Juliet: à espera de seu Romeo para dar continuidade à espécie (Foto: Robin Moore / Global Wildlife Conservation / AFP)

Julieta (foto), uma fêmea de sapo-aquático-de-sehuencas, foi apresentada em dezembro de 2018 durante sua quarentena no Museu de História Natural Alcide d’Orbigny, em Cochabamba, Bolívia. Esse exemplar foi encontrado em uma floresta nublada por uma recente expedição de uma parceria entre o museu e a organização Global Wildlife Conservation.

Julieta terá um papel fundamental para livrar sua espécie da extinção: ela foi apresentada a Romeu, antes o último sapo-aquático-de-sehuencas conhecido, que tem vivido no museu nos últimos 10 anos. Nenhum outro sapo dessa espécie havia sido visto em estado selvagem durante esse tempo. Romeu era até então conhecido como o anfíbio mais solitário do mundo.

Agora é aguardar para ver o resultado do encontro desses exemplares quase únicos – outros três exemplares foram vistos junto com Julieta na ocasião em que foi capturada.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança