Uma vista espetacular da nebulosa de Órion

Imagem é a mais nítida já feita dessa região do universo e mostra mais de 3 mil estrelas, algumas das quais nunca haviam sido observadas antes

Região da nebulosa de Órion captada pelas lentes do Hubble: intensa formação estelar. Crédito: Nasa, ESA, M. Robberto (Space Telescope Science Institute/ESA) e equipe do projeto Orion Treasury do telescópio espacial Hubble

Esta imagem dramática de janeiro de 2006 oferece um vislumbre de uma turbulenta caverna de poeira e gás, onde milhares de estrelas estão se formando. Obtida pela Advanced Camera for Surveys (ACS) a bordo do telescópio espacial Hubble, da Nasa/ESA, ela representa a visão mais nítida já feita até agora dessa região do universo, a nebulosa de Órion. Mais de 3 mil estrelas de vários tamanhos aparecem nesta imagem. Algumas delas nunca foram vistas na luz visível. Essas estrelas residem em uma dramática paisagem de poeira e gás de planaltos, montanhas e vales que lembram o Grand Canyon.

A nebulosa de Órion é um livro ilustrado da formação de estrelas, desde as estrelas jovens e massivas que estão moldando a nebulosa até os pilares de gás denso que podem ser os lares de estrelas em formação. A brilhante região central é o lar das quatro estrelas mais pesadas da nebulosa. As estrelas são chamadas de Trapézio porque estão dispostas em um padrão trapezoidal. A luz ultravioleta liberada por esses sóis está esculpindo uma cavidade na nebulosa e interrompendo o crescimento de centenas de estrelas menores.

Blocos de construção

Perto das estrelas do Trapézio há estrelas ainda jovens o suficiente para ter discos de material ao seu redor. Esses discos, chamados de discos protoplanetários, são muito pequenos para serem vistos claramente nesta imagem. Os discos são os blocos de construção dos sistemas solares.

O brilho no canto superior esquerdo é da M43, uma pequena região sendo moldada pela intensa luz ultravioleta de uma estrela jovem. Os astrônomos chamam a região de nebulosa de Órion em miniatura porque apenas uma estrela está esculpindo a paisagem. A nebulosa de Órion tem quatro dessas estrelas.

Ao lado da M43 estão pilares densos e escuros de poeira e gás que apontam para o Trapézio. Esses pilares resistem à erosão da luz ultravioleta do Trapézio.

A região brilhante à direita revela arcos e bolhas formadas quando ventos estelares (correntes de partículas carregadas ejetadas das estrelas do Trapézio) colidem com o material.

Estrelas que falharam

As tênues estrelas vermelhas perto do fundo são as miríades de anãs marrons que o Hubble avistou pela primeira vez na nebulosa em luz visível. Às vezes chamadas de “estrelas que falharam”, as anãs marrons são objetos frios pequenos demais para serem estrelas comuns porque não podem sustentar a fusão nuclear em seus núcleos como o nosso Sol. A coluna em vermelho escuro, abaixo, à esquerda, mostra uma borda iluminada da parede da cavidade.

A nebulosa de Órion está a 1.500 anos-luz de distância, a região de formação de estrelas mais próxima da Terra. As observações da nebulosa foram feitas entre 2004 e 2005. Os astrônomos usaram 520 imagens do Hubble, tiradas em cinco cores, para fazer esta foto. Eles também adicionaram fotos baseadas no solo para preencher a nebulosa. O mosaico da ACS cobre aproximadamente o tamanho angular aparente da Lua cheia.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua