Unilever investe € 1 bilhão para eliminar combustíveis fósseis de produtos até 2030

Objetivo se insere no programa Futuro Limpo, que busca mudar radicalmente o modo como os produtos de limpeza e lavanderia mais usados no mundo são criados, fabricados e embalados

Unilever: superinvestimento pretende trazer mais sustentabilidade a seus produtos de limpeza e lavanderia. Crédito: Divulgação

A Unilever, umas das líderes mundiais em bens de consumo, vai substituir globalmente 100% do carbono derivado de combustíveis fósseis das fórmulas de seus produtos de limpeza e lavanderia por carbono obtido de fontes renováveis ou recicladas. Com investimento de 1 bilhão de euros em pesquisas e desenvolvimento, o programa visa transformar a sustentabilidade de suas marcas globais de limpeza e lavanderia como Omo, Brilhante e Cif, entre outras.

Essa nova ambição é o coração do programa Futuro Limpo, iniciativa global de inovação e sustentabilidade da Unilever, desenvolvida pela divisão de Cuidados com a Casa da companhia, para mudar radicalmente o modo como os produtos de limpeza e lavanderia mais utilizados no mundo são criados, fabricados e embalados. O Futuro Limpo adota como estratégia os princípios da economia circular nas fórmulas e embalagens dos produtos para reduzir a pegada de carbono.

A maior parte dos produtos de limpeza e lavanderia disponíveis no mercado contém componentes químicos feitos a partir de combustíveis fósseis, fonte não renovável de carbono. A transição da Unilever para fontes renováveis ou recicladas de carbono busca se desvencilhar do mercado de combustíveis fósseis. Primeira iniciativa com essa magnitude, o Futuro Limpo vem ao encontro da ambição da companhia de zerar as emissões líquidas de seus produtos até 2039.

LEIA TAMBÉM: Unilever quer cortar pela metade seu consumo de plástico novo até 2025

Novos caminhos

Os componentes químicos usados nos produtos de limpeza e lavanderia fabricados pela Unilever são responsáveis por 46% da pegada de carbono ao longo do seu ciclo de vida. Assim, com o fim do uso de substâncias químicas derivadas de combustíveis fósseis nas fórmulas dos produtos, a empresa vai abrir novos caminhos para reduzir a pegada de carbono de algumas das maiores marcas de limpeza e lavanderia do mundo. A Unilever espera que essa iniciativa sozinha reduza a pegada de carbono das fórmulas dos produtos em até 20%.

O “Futuro Limpo” simboliza a visão de reestruturação radical da Unilever no modo como quer conduzir seus negócios. Segundo Peter ter Kulve, presidente global da divisão de Cuidados com a Casa da Unilever, a dependência da indústria aos combustíveis fósseis não deve mais existir. “Devemos parar de extrair carbono de debaixo do solo enquanto há uma enormidade de carbono acima dele. Basta aprender como utilizá-lo em escala.”

A pandemia aumentou a demanda por produtos de limpeza nos últimos meses e evidenciou a importância das indústrias de bens de consumo em apoiar e manter as pessoas seguras e afastadas da covid-19 – o que não deve ser uma razão para desviar o foco das crises ambientais mundiais. “O planeta é a casa que compartilhamos e temos a responsabilidade de proteger”, afirma Kulve.

Investimento

A Unilever está investindo € 1 bilhão em pesquisas em biotecnologia, CO2, utilização de resíduos, química de baixo carbono a fim de descartar a utilização de produtos químicos derivados de combustíveis fósseis. Esse investimento também será utilizado para criar formulações de produtos biodegradáveis ​​e com baixo consumo de água, para reduzir pela metade o uso de plástico virgem até 2025, além de apoiar o desenvolvimento de comunicações de marca que tornem essas tecnologias atraentes para o consumidor. O investimento no programa Futuro Limpo é adicional ao novo “fundo de clima e natureza”, e está focado na criação de produtos de limpeza e lavanderia acessíveis, que ofereçam resultados de limpeza superiores com um impacto ambiental significativamente menor.

Diversificação das fontes de carbono

Para detalhar a estratégia de diversificação das fontes do carbono utilizado nas fórmulas, a Unilever criou o Carbon Rainbow. O carbono negro, obtido de fontes não renováveis, como petróleo, por exemplo, será substituído por CO2 capturado da atmosfera (carbono roxo), de plantas e fontes biológicas (carbono verde), de fontes marinhas, como algas (carbono azul) e por meio de carbono recuperado de resíduos (carbono cinza).

De acordo com o Carbon Rainbow, a extração de carbono considerará o impacto ambiental e será monitorada pelos programas de extração sustentável da companhia para evitar processos desordenados do uso do solo. “Há uma nova bioeconomia surgindo das cinzas dos combustíveis fósseis”, afirma Peter ter Kulve.

O mundo deve eliminar o uso dos combustíveis fósseis e fazer a transição para recursos renováveis, de menor impacto nos ecossistemas e que ajudam a restaurar a natureza. Segundo Tanya Steele, diretora executiva da WWF no Reino Unido, “os compromissos assumidos pela Unilever, associados à robustez da sustentabilidade, têm potencial genuíno para uma contribuição importante na preservação da natureza a partir do momento em que transitamos para uma economia que trabalha com os recursos naturais, não contra eles”.

“Diversificar as fontes de carbono é essencial para crescermos dentro dos limites do planeta. Os nossos fornecedores e parceiros de inovação desempenham um papel importantíssimo nessa transição. Ao compartilharmos o modelo Carbon Rainbow, invocamos uma transformação no modo como usamos carbono em toda a economia”, afirma Kulve.

Compromissos assumidos recentemente pela Unilever

• Zerar as emissões líquidas de carbono geradas pelos produtos da empresa, da fabricação às gôndolas, até 2039;

• Reduzir pela metade o impacto dos gases do efeito estufa durante todo o ciclo de vida dos produtos da empresa até 2030;

• Zerar as emissões de gases do efeito estufa das operações da empresa até 2030;

• Tornar as fórmulas dos produtos biodegradáveis da empresa até 2030;

• Alcançar uma cadeia produtiva sem desmatamento até 2023;

• Reduzir pela metade o uso de plástico virgem, ajudar a coletar e processar mais plástico do que a empresa vende e garantir que todas as embalagens plásticas dos produtos da Unilever sejam reutilizáveis, recicláveis e compostáveis, usando pelo menos 25% de plástico reciclado nas embalagens até 2025.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança