Ursos polares devem estar extintos até o fim deste século, alertam cientistas

Ursos polares devem estar extintos até o fim deste século, alertam cientistas
Ursos polares devem estar extintos até o fim deste século, alertam cientistas (Foto: Hans Jurgen-Mager/Unsplash)

Segundo cientistas, até o final deste século, o gelo do mar Ártico pode desaparecer durante o verão, o que poderia levar os ursos polares e outras espécies dependentes do gelo à extinção.

O “último refúgio do gelo” é uma região que contém o gelo ártico mais antigo e espesso que abrange uma área de mais de 1 milhão de quilômetros quadrados da costa oeste do arquipélago ártico canadense até a costa norte da Groenlândia.

Quando os cientistas nomearam a região de gelo de 4 metros de espessura, eles pensaram que duraria décadas. Mas agora, sob os cenários mais otimistas e pessimistas para o aquecimento vinculado à mudança climática, o gelo do mar vai se afinar drasticamente até 2050.

No cenário mais otimista, em que as emissões de carbono são imediata e drasticamente reduzidas para evitar o pior aquecimento, pode resultar em uma porção limitada do gelo sobrevivente na região.

Já no cenário mais pessimista, no qual as emissões continuam em sua taxa atual de aumento, o gelo e os ursos polares e focas que vivem nele, podem desaparecer até 2100, relataram os pesquisadores em um novo estudo.

“Infelizmente, este é um experimento massivo que estamos fazendo”, disse o co-autor do estudo, Robert Newton, pesquisador sênior do Observatório da Terra Lamont-Doherty da Universidade de Columbia, em um comunicado. “Se o gelo durante o ano todo desaparecer, ecossistemas inteiros dependentes do gelo entrarão em colapso e algo novo começará.”

De acordo com o National Snow and Ice Data Center (NSIDC), a cobertura de gelo marinho do Ártico cresce e encolhe a cada ano, atingindo sua extensão mínima no final do verão em setembro, antes de se recuperar no outono e inverno para atingir sua extensão máxima em março.

Mas, à medida que o dióxido de carbono e outros gases do efeito estufa contribuem cada vez mais para o aquecimento da atmosfera, a extensão do gelo marinho oscilou entre limites cada vez menores, com os últimos 15 anos trazendo as 15 extensões de gelo marinho mais baixas no registro de satélite.

O NSIDC também relata que a quantidade de gelo ártico mais antigo e mais espesso que sobreviveu a pelo menos uma temporada de degelo está em baixa recorde, cerca de um quarto do total registrado pelas primeiras pesquisas de satélite há 40 anos.

Essa diminuição na cobertura de gelo pode ter um efeito paralisante na vida dos animais que vivem sobre ou sob a rede de gelo em movimento, incluindo algas fotossintéticas, pequenos crustáceos, peixes, focas, narvais, baleias-da-cabeça-branca e ursos polares.

“Focas aneladas e ursos polares, por exemplo, contam com suas tocas na superfície ondulada do gelo marinho para ficar aproximadamente em um lugar”, escreveram os pesquisadores.

Por serem predadores especializados, os ursos polares seriam especialmente vulneráveis ​​à extinção se o gelo desaparecesse. Adaptados para espreitar sobre o gelo marinho, os ursos do Ártico caçam arrebatando as infelizes focas que vêm à superfície para respirar.

Os ursos polares têm mandíbulas adaptadas para consumir gordura e carne macia e, embora os ursos tenham sido vistos mudando sua dieta para ovos de aves marinhas enquanto estavam em terra, um estudo de 2015 publicado na revista Frontiers in Ecology and the Environment descobriu que as calorias que eles ganham com essas fontes não equilibram as calorias que os ursos queimam.

A rápida mudança de habitat pode fazer com que os ursos polares se tornem extintos ou levar a um cruzamento mais extenso com ursos pardos, cujas áreas estão se expandido para o norte à medida que o clima esquenta.

Esse processo poderia eventualmente substituir os ursos polares por ursos híbridos. No entanto, no cenário mais pessimista de aumento das emissões, os pesquisadores esperam que o gelo e o ecossistema dependente do gelo desapareçam completamente.

“Isso não quer dizer que será um ambiente árido e sem vida”, acrescentou Newton. “Novas coisas surgirão, mas pode levar algum tempo para novas criaturas invadirem.”

Os pesquisadores sugeriram que peixes e algas fotossintéticas podem seguir para o norte a partir do Atlântico Norte, embora eles não tenham certeza se o novo habitat seria estável o suficiente para suportar esses organismos durante todo o ano, especialmente durante o longo inverno ártico sem sol.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago