• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência24/03/2022

Uso prolongado de maconha pode reduzir os centros de memória do cérebro e o QI

Uso prolongado de maconha pode reduzir os centros de memória do cérebro e o QI

Uso prolongado de maconha pode reduzir os centros de memória do cérebro e o QI (Foto: Thought Catalog/Unsplash)

24/03/22 - 13h55min

De acordo com um novo estudo, a cannabis não é tão segura quanto foi considerada por décadas. O uso de maconha a longo prazo pode levar ao declínio de QI da infância à meia-idade, menor velocidade de aprendizado e processamento em relação ao QI da infância e problemas de memória e atenção.

Realizado usando mais de quatro décadas de pesquisa, o estudo, publicado este mês no American Journal of Psychiatry, mostra como os déficits eram específicos para usuários de cannabis de longo prazo. Eles não estavam presentes ou eram menores entre usuários de tabaco de longo prazo, usuários de álcool de longo prazo, usuários de cannabis recreativos de meia-idade e desistentes de cannabis.

Os dados vêm de um estudo de coorte que começou em 1972, em Dunedin, Nova Zelândia. Originalmente projetado simplesmente para investigar a saúde e o desenvolvimento infantil nos primeiros três anos de vida, o Estudo Dunedin acabou se tornando um recurso de renome internacional que até agora produziu mais de 1.300 estudos e trabalhos de pesquisa sobre saúde de longo prazo.

Usando o Estudo Dunedin, os pesquisadores conseguiram coletar detalhes sobre a vida de mais de 1.000 indivíduos, desde o nascimento até a meia-idade. Essas informações incluíam o uso e dependência de maconha dos participantes, que foram avaliados aos 18, 21, 26, 32, 38 e 45 anos, e seu QI, medido aos 7, 9 e 11 anos, e novamente aos 45 anos.

Como resultado, os usuários de longo prazo tiveram desempenho significativamente pior na maioria dos testes cognitivos do que seus pares sem histórico de uso de maconha, uma descoberta que "não pode ser explicada pelo uso persistente de tabaco, álcool ou outras drogas ilícitas, status socioeconômico na infância, baixo autocontrole na infância ou histórico familiar de dependência de substâncias", observaram os autores.

Mesmo em comparação com usuários de longo prazo de álcool ou tabaco e usuários recreativos de maconha, os efeitos cognitivos de longo prazo da cannabis foram graves: os usuários de longo prazo mostraram habilidades de aprendizado e processamento de informações mais fracas, além de relatar significativamente mais problemas de memória e atenção em comparação com outros grupos.

Além disso, a última fase do Estudo Dunedin incluiu, pela primeira vez, exames detalhados de ressonância magnética dos cérebros dos participantes. E quando os pesquisadores compararam os exames cerebrais de usuários de cannabis de longo prazo com os de seus pares, eles notaram algo meio preocupante: o hipocampo – uma estrutura cerebral importante que desempenha um papel importante no aprendizado e na memória – era significativamente menor naqueles com o hábitos de cannabis de longo prazo.

De acordo com os autores, o volume hipocampal menor e problemas cognitivos na meia-idade são fatores de risco conhecidos para demência. Isso apresenta um prognóstico potencialmente sombrio para usuários de cannabis a longo prazo.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


cannabis