Vacinas dão "falsa sensação de segurança", alerta OMS

Alarmada por situação da pandemia na Europa, Organização Mundial da Saúde ressalta que vacinas salvam vidas, mas não impedem completamente a transmissão do coronavírus. “Mesmo vacinado, continue tomando precauções.”Em meio a uma “falsa sensação de segurança” causada pela proteção oferecida por vacinas, a Europa voltou a ser o epicentro mundial da pandemia de covid-19, afirmou nesta quarta-feira (24/11) o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Em vídeo divulgado no Twitter, o diretor-geral da OMS afirmou: “Em muito países e comunidades, estamos preocupados com uma falsa sensação de segurança de que vacinas acabaram com a pandemia de covid-19 e de que as pessoas que estão vacinadas não precisam tomar nenhuma outra precaução.”

Ele apontou que, antes do surgimento da variante delta do coronavírus, as vacinas contra a covid-19 reduziam a transmissão em cerca de 60%. “Com a delta, isso [a redução da transmissão] caiu para cerca de 40%.”

A variante delta, mais contagiosa que a primeira cepa do Sars-Cov-2, é atualmente a versão do vírus dominante no mundo. De 845 mil sequenciamentos do vírus com base em amostras coletadas nos últimos dois meses e enviadas à iniciativa científica global GISAID, de compartilhamento de dados sobre as linhagens do Sars-Cov-2 em circulação, 99,8% eram da variante delta. A informação consta do relatório epidemiológico semanal da OMS.

“Vacinas não impedem completamente a transmissão”

“Vacinas salvam vidas, mas não impedem completamente a transmissão”, ressaltou Ghebreyesus, pedindo que as pessoas usem máscaras, mantenham distância, evitem aglomerações,e encontrem outras pessoas em ambientes ao ar livre, se possível, ou em ambientes fechados bem ventilados e lavem as mãos.

Além da vacina, tais medidas, segundo autoridades da OMS, continuam sendo uma ferramenta chave para frear a transmissão do coronavírus.

“Se você tomou a vacina, você corre um risco muito menor de desenvolver um quadro grave da doença ou até de morrer, mas ainda corre risco de ser infectado e de infectar outras pessoas”, disse Ghebreyesus.

“Mesmo vacinado, continue tomando precauções para evitar ser infectado e infectar alguém que poderia morrer”, alertou o diretor-geral da OMS.

Europa registra 60% das novas infecções

Segundo Ghebreyesus, na semana passada, mais de 60% dos casos de covid-19 registrados e mortes relacionadas à doença ocorreram na Europa. O número de novas infecções já está se traduzindo numa pressão insustentável para sistemas de saúde e na exaustão de funcionários, disse o diretor-geral da OMS.

Autoridades da OMS advertiram que o vírus Sars-Cov-2, causador da doença, continuará sendo intensamente disseminado no inverno europeu, num momento em que, motivadas pela época de festas de fim de ano, populações de vários países estão voltando a uma rotina de encontros sociais com níveis comparáveis aos do período pré-pandemia.

“Estamos de volta a níveis pré-pandêmicos de encontros sociais [na Europa], mesmo em meio ao aumento muito forte de novos casos e até em alguns países com forte pressão sobre seus sistemas de saúde”, disse o diretor de emergências de saúde da OMS, Mike Ryan. “A verdade é que o vírus vai continuar sendo espalhado intensamente nesse tipo de ambiente.”

rk/lf (Reuters, AFP, OTS)

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago


COMPARTILHAR