Vários cientistas são ateus, mas isso não significa que sejam antirreligião

Estudo feito com cientistas ateus nos EUA e no Reino Unido mostra que a maioria deles acredita que há benefícios na religião

Crédito: Pxfuel

A desconfiança em relação aos ateus é forte nos Estados Unidos. A General Social Survey demonstra consistentemente que, como grupo, os americanos não gostam de ateus mais do que qualquer outro grupo religioso. De acordo com vários estudos, quase metade do país desaprovaria que seu filho se casasse com um ateu, cerca de 40% do público não acredita que os ateus compartilhem sua visão da sociedade americana e apenas 60% dos americanos estariam dispostos a votar em um ateu em uma eleição presidencial.

Há um campo, no entanto, onde o ateísmo é frequentemente assumido: a ciência.

As pessoas costumam ver os cientistas como “sem Deus”. Algumas dessas opiniões podem ser o resultado de pessoas ouvirem mais observações de cientistas ateus mais ‘barulhentos’, como o biólogo evolucionista Richard Dawkins, o neurocientista Sam Harris e outros que estão na vanguarda de um movimento conhecido como “novo ateísmo”.

Retórica zombeteira

Os novos ateus não são simplesmente cientistas que estão convencidos de que não existe Deus, ou deuses. Eles associam sua irreligião a uma crítica agressiva da crença religiosa como uma ameaça ao bem-estar social.

Esses cientistas defendem uma retórica frequentemente zombeteira sobre a religião e o público religioso. Dawkins, por exemplo, argumentou que a religião é uma forma de “doença mental” e um dos “grandes males” do mundo, comparável à varíola.

Mas essas atitudes estridentes podem não ser representativas dos cientistas em geral.

Uma pesquisa recente que conduzimos revela que a maioria dos cientistas ateus nos Estados Unidos e no Reino Unido não são antirreligiosos.

A verdadeira história do ateísmo na ciência

Com base em pesquisas quantitativas com 1.293 cientistas que se identificaram como ateus, 81 entrevistas qualitativas aprofundadas realizadas de 2013 a 2016 e material de contexto coletado desde então, descobrimos que as visões dos cientistas sobre religião são muito mais diversas do que a imagem transmitida por novos ateus.

Cada um dos cientistas em nosso estudo selecionou a declaração “Eu não acredito em Deus” quando questionado sobre suas visões de Deus – e selecionou essa escolha entre opções incluindo agnosticismo, a visão de que a existência de Deus ou do divino é incognoscível.

Como sociólogos, vemos a religião como multidimensional – consistindo em crenças, práticas, tradições e identidades – e buscamos compreender tais dimensões na vida de cientistas ateus e em suas visões de religião.

Uma de nossas principais descobertas é que a maioria dos cientistas ateus não quer se alinhar com a retórica que condena as pessoas religiosas. Embora não tenhamos perguntado especificamente sobre Dawkins em entrevistas, os cientistas muitas vezes o mencionaram.

Como disse um biólogo que entrevistamos no Reino Unido: “Bem, ele partiu para uma cruzada, basicamente… acho que [a religião] é um alvo fácil e acho que ele é bastante insensível e obstinado”.

Força do bem

Até mesmo cientistas ateus que abrigavam ocasionais visões negativas da religião expressaram preocupação de que tal retórica seja ruim para a ciência.

Muitos cientistas ateus não são apenas hostis à religião, mas alguns pensam que ela também pode ser benéfica para a sociedade. Nas palavras de um de nossos entrevistados, “você pode ver os benefícios de ir à igreja”. Muitos, por exemplo, discutiram o senso de comunidade que se encontra nas igrejas. Outros enfatizaram a frequência religiosa como uma força do bem, encorajando as pessoas a agirem com mais caridade.

De fato, nos Estados Unidos, 29% dos cientistas ateus também dizem que são culturalmente religiosos. Ou seja, apesar de sua falta de fé em Deus, eles interagem rotineiramente com indivíduos ou organizações religiosas, como ter um cônjuge religioso, enviar seus filhos para uma escola religiosa ou frequentar os cultos eles próprios.

Como nos disse um biólogo ateu: “Gosto de ir à igreja pela suspensão da descrença, pela experiência teatral, pela leitura, pela liturgia, pelas histórias magníficas e pela qualidade mítica dessas histórias, que é intensamente espiritual. É uma experiência real”.

Cientistas ateus e religiosos

Também descobrimos que cientistas ateus e pessoas de fé têm mais em comum do que a maioria das pessoas pode pensar, como a experiência de admiração e admiração. Enquanto muitos religiosos experimentam a espiritualidade por meio da fé, alguns cientistas ateus falam de seu trabalho com noções semelhantes de reverência e admiração.

Esses cientistas falam sobre “realidades intangíveis que impregnam maravilhas, motivam seu trabalho e estão além da observação” – realidades que eles chamam de espiritualidade.

Como explicam os sociólogos Penny Edgell, Joseph Gerteis e Douglas Hartmann, quando questionados sobre ateus em pesquisas, os americanos provavelmente estão imaginando uma pessoa teórica que rejeita a ideia de Deus, em vez de pensar em um ateu real que possam ter encontrado.

Na verdade, em uma sociedade ideologicamente segregada como a dos Estados Unidos, os indivíduos religiosos e não religiosos podem não interagir de maneira que realmente informem suas perspectivas uns dos outros. Como resultado, as visões de indivíduos religiosos e não religiosos uns dos outros dependem fortemente dos estereótipos de cada grupo.

Identificação difícil

Conseqüentemente, quando as pessoas pensam em cientistas ateus, é muito fácil imaginar o quadro pintado com base naqueles apresentados na esfera pública, como Dawkins e outros, na ausência de alguém que habite sua comunidade.

Além do mais, é difícil reconhecer um ateu quando você vê um, especialmente se ele está sentado no banco ao lado de você na igreja, como nossa pesquisa indica que ele pode estar.

Em uma era em que nossas vidas dependem literalmente da confiança na comunidade científica, é importante contar a verdade sobre quem são os cientistas ateus por meio de pesquisas sobre eles, em vez de permitir que sejam representados pelas vozes mais estridentes dessa comunidade.

* Elaine Howard Ecklund é professora de sociologia e diretora do Programa de Religião e Vida Pública da Universidade Rice (EUA); David R. Johnson é professor associado de ensino superior na Universidade Estadual da Geórgia (EUA).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago