Vírus Zika pode auxiliar combate a tumor cerebral

Vírus zika, causador de microcefalia em bebês de gestantes infectadas, pode se tornar uma alternativa no tratamento do glioblastoma, o tipo mais comum e agressivo de tumor cerebral maligno em adultos

O temível vírus zika, causador de microcefalia em bebês de gestantes infectadas, pode ter um lado positivo: se modificado geneticamente, ele se tornará uma alternativa no tratamento do glioblastoma, o tipo mais comum e agressivo de tumor cerebral maligno em adultos.

+ Elefantes têm relações únicas com seus mortos – inclusive os estranhos
+ Ômega-3 reduz morte de neurônios pelo vírus Zika, diz pesquisa
+ Como os mosquitos acham humanos para picar

A descoberta, feita por pesquisadores da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade Estadual de Campinas (FCF-Unicamp), deverá ser publicada na revista científica Journal of Mass Spectrometry. Segundo os cientistas, 48 horas após a infecção pelo vírus modificado há um número significativo de células redondas e inchadas, formação de células multinucleadas (em que a membrana celular engloba vários núcleos) e perda acentuada de integridade celular, um prenúncio da morte celular.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança