• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Astronomia30/11/2021

Vento solar está na origem da água existente na Terra

Concepção artística com o Sol, ventos solares e o asteroide Itokawa: fonte de água inesperada para a Terra. Crédito: Universidade Curtin

30/11/21 - 07h53min

Uma equipe internacional de pesquisadores liderada pela Universidade de Glasgow (Reino Unido) descobriu que o vento solar, composto de partículas carregadas do Sol em grande parte feitas de íons de hidrogênio, criou água na superfície de grãos de poeira transportados por asteroides que colidiram com a Terra durante os primeiros dias do Sistema Solar. O artigo foi publicado na revista Nature Astronomy.

O professor Phillip Bland, diretor do Centro de Ciência e Tecnologia Espacial da Universidade Curtin (SSTC, na Austrália) e um dos autores do artigo, observou que a Terra é muito rica em água em comparação com outros planetas rochosos do Sistema Solar, com oceanos cobrindo mais de 70% de sua superfície, e os cientistas há muito se questionam sobre a origem exata de tudo isso.

“Uma teoria existente é que a água foi transportada para a Terra nos estágios finais de sua formação em asteroides do tipo C”, afirmou Bland. “No entanto, testes anteriores da ‘impressão digital’ isotópica desses asteroides descobriram que, em média, ela não correspondia à água encontrada na Terra. Isso significa que havia pelo menos uma outra fonte não explicada. (...) Nossa pesquisa sugere que o vento solar criou água na superfície de pequenos grãos de poeira e essa água isotopicamente mais leve provavelmente forneceu o restante da água da Terra.”

Ajuda às futuras missões espaciais

Ele prosseguiu: “Esta nova teoria do vento solar é baseada na análise meticulosa, átomo por átomo, de fragmentos minúsculos de um asteroide próximo à Terra do tipo S conhecido como Itokawa, cujas amostras foram coletadas pela sonda espacial japonesa Hayabusa e trazidas à Terra em 2010. (...) Nosso sistema de tomografia de sonda atômica de classe mundial aqui na Universidade Curtin nos permitiu dar uma olhada incrivelmente detalhada dentro dos primeiros 50 nanômetros ou mais da superfície dos grãos de poeira do Itokawa. Descobrimos que eles continham água suficiente que, se aumentada, chegaria a a cerca de 20 litros para cada metro cúbico de rocha.”

O dr. Luke Daly, autor correspondente do artigo, formado pela Universidade Curtin e agora na Universidade de Glasgow, disse que a pesquisa não só dá aos cientistas uma visão notável da fonte de água da Terra no passado, mas também pode ajudar em futuras missões espaciais.

“Como os astronautas conseguiriam água suficiente, sem carregar suprimentos, é uma das barreiras da futura exploração espacial”, disse Daly. “Nossa pesquisa mostra que o mesmo processo de intemperismo espacial que criou água no Itokawa provavelmente ocorreu em outros planetas sem ar. Isso significa que os astronautas podem ser capazes de processar novos suprimentos de água diretamente da poeira na superfície de um corpo planetário, como a Lua.”

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

água