Vênus pode ter sido habitável até 700 milhões de anos atrás

Pesquisadores criaram cinco cenários atmosféricos e descobriram que, em todos eles, o planeta poderia suportar temperaturas de superfície favoráveis ​​à presença de água líquida

Vênus pode ter sido habitável bilhões de anos atrás, diz pesquisa / Foto: Representação artística de Vênus com água/NASA

Vênus pode ter sido um planeta temperado, com água líquida, durante 2 a 3 bilhões de anos, até que uma transformação dramática começou a acontecer há mais de 700 milhões de anos e o clima do planeta se tornou extremamente quente.

É o que afirma um estudo do Instituto Goddard para a Pesquisa Espacial, da NASA. Muitos pesquisadores acreditam que Vênus passa dos limites da zona habitável do nosso Sistema Solar e está muito perto do Sol para suportar água líquida, mas a nova pesquisa sugere que o passado do planeta pode ter sido muito diferente.

LEIA TAMBÉM: NASA e ESA mostram foto mais recente de Saturno tirada pelo Hubble

Há quarenta anos, a missão Pioneer Vênus da NASA encontrou indícios de que o planeta já teve um oceano raso. Para verificar se Vênus poderia ter tido um clima compatível com água líquida, os pesquisadores Michael Way e Anthony Del Genio criaram cinco simulações, cada uma com um nível diferente de cobertura da água.

Surpreendentemente, eles descobriram que nos cinco cenários Vênus era capaz de manter temperaturas estáveis ​​entre um máximo de 50 graus Celsius e um mínimo de 20 graus Celsius, durante cerca de três bilhões de anos.

Um clima temperado poderia ter sido mantido em Vênus até hoje, se uma série de eventos não tivessem causado a liberação de dióxido de carbono armazenado nas rochas do planeta, há aproximadamente 700 a 750 milhões de anos.

Segundo a European Society, a hipótese da pesquisa é que Vênus pode ter tido um clima estável por bilhões de anos, e que essa série de transformações da superfície foi responsável pela transição de um clima parecido com a Terra para uma estufa quente que vemos hoje no planeta.

Três dos cinco cenários estudados apresentavam a topografia de Vênus como ela é hoje em dia e consideram três profundidades diferentes para a água na superfície: um oceano de 310 metros de profundidade, uma camada rasa de 10 metros de água e uma pequena quantidade de água presa no solo.

O quarto cenário mostrava uma topografia igual à da Terra e um oceano de 310 metros e, finalmente, o quinto cenário apresentava um planeta completamente coberto por um oceano de 158 metros de profundidade.

Além disso, os pesquisadores simularam as condições ambientais de Vênus de 4,2 bilhões de anos atrás, de 715 milhões de anos atrás e de hoje, e adaptaram um modelo de circulação geral para explicar o aumento da radiação solar à medida que o Sol se aqueceu ao longo de sua vida útil, bem como as mudanças na composição atmosférica do planeta.

“Vênus recebe quase o dobro da radiação solar do que a Terra. No entanto, em todos os cenários que modelamos, descobrimos que o planeta ainda poderia suportar temperaturas de superfície favoráveis ​​à água líquida ”, disse Way.

Há 4,2 bilhões de anos, logo após sua formação, Vênus teria passado por um período de resfriamento rápido e sua atmosfera teria sido dominada pelo dióxido de carbono (CO2). Se o planeta evoluísse da mesma forma que a Terra pelos 3 bilhões de anos seguintes, o CO2 teria sido atraído por rochas silicatadas e ficaria “trancado” na superfície.

Na segunda época estudada, 715 milhões de anos atrás, a atmosfera provavelmente foi dominada pelo nitrogênio com quantidades vestigiais de dióxido de carbono e metano – semelhante à atmosfera da Terra de hoje – e essas condições poderiam ter permanecido estáveis ​​até os dias atuais.

Mas uma grande liberação de gases levou à transformação dramática de Vênus. Sua causa ainda é um mistério, mas cientistas acreditam que ela esteja ligada à atividade vulcânica do planeta. Uma possibilidade é que grandes quantidades de magma borbulhante liberaram dióxido de carbono das rochas derretidas para a atmosfera.

O magma teria se solidificado antes de chegar à superfície e isso criou uma barreira que evitou que o gás fosse reabsorvido. A grande quantidade de dióxido de carbono na atmosfera desencadeou um efeito estufa descontrolado, que resultou nas temperaturas médias escaldantes de 462 graus encontradas hoje em Vênus.

Segundo Way, na Terra existem alguns exemplos de descargas de gases em larga escala como, por exemplo, nas formações geológicas vulcânicas na Sibéria há 500 milhões de anos, que estão ligadas a uma extinção em massa registrada nessa época. “Mas não houve nada na Terra na mesma escala do que houve em Vênus, que transformou completamente o planeta”, disse Way.

Quer dizer, existem dois mistérios sobre a possível habitabilidade de Vênus. O primeiro diz respeito à rapidez com que Vênus esfriou inicialmente e se foi capaz de condensar água líquida em sua superfície. O segundo é se o evento global de transformação da superfície foi um evento único ou simplesmente o mais recente de uma série de eventos que remontam bilhões de anos na história de Vênus.

“Precisamos de mais missões para estudar Vênus e obter uma compreensão mais detalhada de sua história e evolução”, disse Way. “No entanto, nossos modelos mostram que existe uma possibilidade real de que Vênus possa ter sido habitável e radicalmente diferente do planeta que vemos hoje. Isso abre todos os tipos de implicações para os exoplanetas encontrados no que é chamado de ‘Zona de Vênus’, que de fato pode hospedar água líquida e climas temperados”, afirma o pesquisador.

Fonte: Europlanet Society