Vênus poderia ser habitável hoje – mas Júpiter atrapalhou

Migração do planeta gigante para mais longe do Sol afetou a órbita venusiana, tirando suas condições de abrigar vida como a da Terra

Vênus, em composição de imagens obtidas pela sonda japonesa Akatsuki: a órbita quase circular explica bastante sobre seu ambiente hostil. Crédito: Jaxa/Isas/Darts/Damia Bouic

Vênus poderia não ser uma paisagem infernal sufocante e sem água hoje, se Júpiter não tivesse alterado sua órbita ao redor do Sol, de acordo com uma nova pesquisa realizada pela Universidade da Califórnia em Riverside (EUA). O estudo foi apresentado na revista “The Planetary Science Journal”.

Júpiter tem uma massa que é duas vezes e meia a de todos os outros planetas do Sistema Solar – combinados. Por ser comparativamente gigantesco, tem a capacidade de perturbar as órbitas de outros planetas.

No início da formação de Júpiter como planeta, ele se moveu para mais perto e depois para longe do Sol devido às interações com o disco em que os planetas se formam, bem como os outros planetas gigantes. Esse movimento, por sua vez, afetou Vênus.

LEIA TAMBÉM: Cientistas encontram gás ligado à vida na atmosfera de Vênus

As observações de outros sistemas planetários mostraram que migrações de planetas gigantes semelhantes logo após a formação podem ser uma ocorrência relativamente comum.

Órbita circular

Os cientistas consideram os planetas sem água líquida incapazes de hospedar a vida como a conhecemos. Embora Vênus possa ter perdido um pouco de água no início por outras razões, e pode ter continuado a perder de qualquer maneira, o astrobiólogo Stephen Kane, da Universidade da Califórnia em Riverside, disse que o movimento de Júpiter provavelmente fez com que Vênus seguisse em direção ao seu estado atual e inóspito.

“Uma das coisas interessantes sobre a Vênus de hoje é que sua órbita é quase perfeitamente circular”, disse Kane, que liderou o estudo. “Com este projeto, eu queria explorar se a órbita sempre foi circular e, se não, quais são as implicações disso?”

Para responder a essas perguntas, Kane criou um modelo que simulava o Sistema Solar, calculando a localização de todos os planetas a qualquer momento e como eles se atraem em diferentes direções.

Animação que descreve as excentricidades das órbitas dos planetas internos e ilustra como a órbita de Vênus é circular. Crédito: Chong-Chong He

Os cientistas medem se a órbita de um planeta está entre 0, que é completamente circular, e 1, que não é circular. O número entre 0 e 1 é chamado de excentricidade da órbita. Uma órbita com uma excentricidade de 1 nem mesmo completaria uma órbita em torno de uma estrela; seria simplesmente lançado no espaço, disse Kane.

Mudanças dramáticas

Atualmente, a órbita de Vênus é medida em 0,006, que é a mais circular de qualquer planeta no Sistema Solar. No entanto, o modelo de Kane mostra que quando Júpiter provavelmente estava mais perto do Sol, há cerca de 1 bilhão de anos, Vênus provavelmente tinha uma excentricidade de 0,3, e há uma probabilidade muito maior de que fosse habitável naquela época.

“Com a migração de Júpiter, Vênus passaria por mudanças dramáticas no clima, esquentando, esfriando e perdendo cada vez mais sua água na atmosfera”, disse Kane.

Recentemente, os cientistas geraram muito entusiasmo ao descobrir um gás nas nuvens acima de Vênus que pode indicar a presença de vida. O gás, a fosfina, é normalmente produzido por micróbios, e Kane diz que é possível que o gás represente “a última espécie sobrevivente em um planeta que passou por uma mudança dramática em seu ambiente”.

Cenário improvável

Se esse for o caso, no entanto, Kane observa que os micróbios teriam de sustentar sua presença nas nuvens de ácido sulfúrico acima de Vênus por cerca de 1 bilhão de anos, desde que Vênus teve água líquida superficial – um cenário difícil de imaginar, embora não impossível.

“Provavelmente há muitos outros processos que podem produzir o gás que ainda não foram explorados”, disse Kane.

Em última análise, Kane diz que é importante entender o que aconteceu com Vênus, um planeta que já foi habitável e agora tem temperaturas de superfície de cerca de 480 graus Celsius.

“Eu me concentro nas diferenças entre Vênus e a Terra, e o que deu errado com Vênus, para que possamos ter uma visão sobre como a Terra é habitável e o que podemos fazer para cuidar deste planeta da melhor maneira possível”, disse Kane.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança