Ver para crer

Certas imagens valem mais que mil palavras. Assim é fácil entender por que a missão da COP21 é evitar que a temperatura se eleve mais de 2ºC e o nível dos oceanos suba de 4,3 metros a 9,9 metros até o fim do século

Nada como o argumento da imagem para convencer as pessoas sobre uma provável realidade indesejada, não é? Nas fotos desta reportagem, você pode ver com seus próprios olhos como ficarão cartões-postais do mundo atual, incluindo a Igreja da Candelária, no Rio de Janeiro, se os gases de efeito estufa seguirem sendo emitidos desenfreadamente, tal como acontece hoje. As imagens foram criadas pelo artista gráfico Nickolay Lamm e estão baseadas no relatório da organização independente norte-americana Climate Central, publicado em novembro na PNAS (Proceedings of the National Academy of Sciences), revista da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos.

6_PL516_COP2

O aquecimento global causado pelo acúmulo de gases-estufa, que não deixam o calor se dissipar, já provocou um aumento do nível do mar de cerca de 20 centímetros, desde 1880 até hoje. O ritmo de elevação só tende a acelerar. Os cientistas calculam que, somente no século 21, é provável que os oceanos subam de 60 centímetros a 2 metros mais. Tudo depende de quanta poluição atmosférica a humanidade ainda pretende despejar na atmosfera.

Climatecentral.org
Wall Street, a icônica rua do centro financeiro de Nova York, é usada para mostrar onde chegará o nível do mar se a temperatura subir 2ºC e 4ºC (foto anterior).

Segundo as projeções da Climate Central, se não forem tomadas medidas para diminuir emissões, a temperatura global subirá 4,5oC, até 2100, em comparação aos níveis pré-industriais. Como consequên­cia, você, seus filhos ou netos verão o nível dos oceanos subir de 4,3 metros a 9,9 metros, até o fim deste século, submergindo os primeiros andares de diversas áreas de cidades costeiras superpopulosas como Mumbai (Índia), Xangai (China), Nova York (EUA), Londres (Inglaterra) e Sydney (Austrália). Qualquer semelhança com a Veneza que conhecemos hoje não será mera coincidência.

Climatecentral.org
A escadaria da Igreja da Candelária, no centro do Rio de Janeiro, ficará submersa com o clima 4ºC mais quente do que hoje

A forma mais incisiva de evitar esses aumentos é implementar a tão falada “economia de baixo carbono” – já que as medições dos gases de efeito estufa têm como base o carbono. Essa é a questão que estará sobre as mesas de negociações da 21ª Conferência das Partes das Nações Unidas para Mudanças Climáticas (COP21), na França (veja matéria sobre ela aqui). “Em dezembro, uma nova rodada-chave de diálogos sobre o clima global acontece em Paris. As decisões tomadas lá deverão influenciar fortemente qual desses cenários de futuro será mais provável”, escreve Benjamin Strauss, coautor do estudo, no site da Climate Central.

Barreira vital

Para evitar catástrofes climáticas como as mostradas nas imagens que ilustram estas páginas, o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU (IPCC, da sigla em inglês) propõe não deixar o aumento da temperatura ultrapassar 2ºC. Isso envolve questões de segurança alimentar, preservação de espécies, acesso à água doce e, inclusive, a integridade de milhões de cidades costeiras. Ameaçados desde já, alguns países e cidades insulares pedem que o limite-alvo seja fixado em 1,5ºC.

Climatecentral.org
O moderno bairro de Pudong e o centro histórico de Xangai, polo financeiro da China, que ficam nas margens do rio Huangpu, perderão vários andares das suas construções com 4ºC a mais no termômetro

Grande parte dos 196 países que participarão da COP21 apresentou suas propostas voluntárias para conter essa elevação. Segundo as avaliações da Climate Interactive, entretanto, as perspectivas não são muito animadoras. A ONG, sediada em Washington (EUA), usou um simulador desenvolvido especialmente para visualizar os cenários prováveis e descobriu que o que os países se oferecem até agora a fazer ainda não é suficiente.

Climatecentral.org
A Opera House, cartão-postal de Sydney, Austrália, se salvaria por questão de centímetros, por estar construída sobre um platô

Se os países não fizerem nada mais além do que se propuseram até 2025 ou 2030, o aumento será de 3,5ºC. Se derem continuidade às ações sugeridas, a temperatura irá aumentar 3,2ºC. Caso a China (o maior poluidor do mundo) se comprometa a reduzir em 2% por ano suas emissões após atingir o pico de emissões previsto para 2030, a elevação recua­ria um pouco mais, alcançando 3ºC. Com o envolvimento de outros países em desenvolvimento até 2035, o aumento não passaria de 2,6ºC. Na melhor das hipóteses, somente se todos os países alcançassem seus picos em 2035 e reduzissem suas emissões em 3,5% por ano seria possível frear a elevação da temperatura nos emblemáticos 2ºC.

O desafio é enorme: a água já está batendo na canela da humanidade e pode passar do pescoço. Somente com um real comprometimento mundial – como o que foi visto no Protocolo de Montreal, de 1987, para impedir o aumento do buraco na camada de ozônio – ainda se poderão manter as praias, as cidades, os animais, as fontes de água doce e a vida como conhecemos hoje até o fim deste século.

6_PL516_COP7

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança

COMPARTILHAR