Vingar-se é mais apreciado que perdoar nas histórias de ficção

Estudo também revela, no entanto, que as histórias de perdão são consideradas mais significativas e instigantes

Cartaz da versão cinematográfica de 2002 de "O Conde de Monte Cristo", estrelada por Jim Caviezel e Guy Pearce e dirigida por Kevin Reynolds: história de vingança com incontáveis versões. Crédito: Touchstone/Divulgação

Quando se trata de entretenimento, as pessoas gostam mais de ver os vilões receberem seu castigo do que de vê-los perdoados, confirma um novo estudo. Mas mesmo que não gostem tanto das histórias de perdão, as pessoas acham essas narrativas mais significativas e instigantes do que aquelas nas quais os vilões recebem simplesmente o que merecem. O estudo a esse respeito foi publicado online recentemente na revista “Communication Research” e aparecerá futuramente em uma edição impressa.

“Gostamos de histórias nas quais os transgressores são punidos e, quando recebem mais do que merecem, achamos divertido”, disse Matthew Grizzard, principal autor do estudo e professor assistente de comunicação da Universidade Estadual de Ohio (EUA). “Ainda assim, as pessoas apreciam mais as histórias de perdão, mesmo que não as considerem tão divertidas.”

O estudo envolveu 184 estudantes universitários que leram 15 narrativas curtas contadas como tramas para possíveis episódios de televisão. Desse total, em um terço o vilão foi tratado positivamente pela vítima; em outro terço, o vilão recebeu uma punição justa; e nos casos restantes, o vilão foi punido além do que seria uma penalidade adequada pelo crime.

LEIA TAMBÉM: Descoberto como o cérebro processa pensamentos abstratos

Três finais

Por exemplo, uma história envolvia uma pessoa roubando US$ 50 de um colega de trabalho. Os participantes leram um dos três finais possíveis.

Em um cenário, a vítima comprou café para o ladrão (sub-retribuição/perdão); em outro, a vítima roubou uma garrafa de uísque de US$ 50 do ladrão (retribuição equitativa); e na terceira versão, a vítima roubou seu dinheiro de volta e baixou pornografia no computador do ladrão (retribuição excessiva).

Imediatamente após a leitura de cada cenário, foi perguntado aos participantes se eles gostaram ou não da narrativa. Mais pessoas gostaram das histórias de retribuição equitativa do que aquelas que envolveram sub- ou super-retribuição, disse Grizzard.

Os pesquisadores também cronometraram quanto tempo levaram os leitores para clicar no botão de curtir ou não no computador depois de ler cada uma das narrativas. Eles descobriram que os leitores levavam menos tempo para responder às histórias com retribuição equitativa do que para responder às histórias com retribuição insuficiente ou excessiva.

Respostas mais rápidas

“As pessoas têm uma resposta ao nível de como acham que os indivíduos devem ser punidos por transgressões e, quando uma narrativa cumpre o que esperam, geralmente respondem mais rapidamente”, disse Grizzard.

Quando a punição não se encaixava no crime, os participantes demoraram um pouco mais para responder à história demonstrando gosto ou aversão. Mas o porquê de demorarem mais parecia ser diferente para histórias com sub-retribuição versus histórias com super-retribuição, disse Grizzard. A razão pela qual pode ser explicada na parte seguinte do estudo.

Depois de lerem as 15 narrativas, os participantes classificaram cada história por prazer (“Essa história seria um bom momento, engraçada, interessante”) e apreço (“Essa história seria significativa, comovente e instigante”).

Os participantes pensaram que as histórias em que os vilões foram punidos em excesso seriam as mais agradáveis ​​e aquelas em que os vilões foram perdoados seriam as menos agradáveis ​​. A punição equitativa estava no meio.

Punição saboreada

Mas eles também disseram que apreciariam mais as histórias sobre perdão do que os outros dois tipos de narrativas.

Portanto, os participantes podem ter parado um pouco antes de responder às histórias de perdão para refletir, porque as consideraram mais significativas, disse Grizzard. Mas enquanto também fizeram uma pausa para as narrativas de punição excessiva, eles não as acharam mais significativas – apenas mais agradáveis, disse ele. Isso sugere que a pausa pode ter sido simplesmente para saborear a punição extra que o vilão recebeu. “Parece ser o lado sombrio de apenas apreciar a vingança”, afirmou o pesquisador.

No geral, os resultados sugerem que uma retribuição justa e razoável é o “padrão moral intuitivo” que chega até nós de maneira fácil e natural, segundo Grizzard. “Mas ver a falta de punição requer um nível de deliberação que não chega até nós naturalmente. Podemos apreciá-la, mesmo que não pareça particularmente agradável.”