• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Featured01/08/2022

Vírus comuns podem deflagrar a doença de Alzheimer

Crédito: Gerd Altmann/Pixabay

01/08/22 - 08h47min

A doença de Alzheimer pode começar de forma quase imperceptível, muitas vezes disfarçada nos primeiros meses ou anos como esquecimento que é comum na velhice. O que causa a doença permanece em grande parte um mistério. Mas pesquisadores da Universidade Tufts (EUA) e da Universidade de Oxford (Reino Unido), usando um modelo tridimensional de cultura de tecidos humanos que imitam o cérebro, mostraram que o vírus varicela-zóster (VZV, na sigla em inglês), que comumente causa varicela e herpes-zóster, pode ativar o herpes simplex (HSV), outro vírus comum, para colocar em movimento os estágios iniciais da doença de Alzheimer. Seu estudo foi publicado na revista Journal of Alzheimer’s Disease.

Normalmente, o HSV-1 – uma das principais variantes do vírus – fica adormecido dentro dos neurônios do cérebro. Quando é ativado, porém, leva ao acúmulo de proteínas tau e beta-amilóide e perda da função neuronal – características de assinatura encontradas em pacientes com Alzheimer.

“Nossos resultados sugerem um caminho para a doença de Alzheimer, causada por uma infecção por VZV que cria gatilhos inflamatórios que despertam o HSV no cérebro”, disse Dana Cairns, pesquisadora associada do Departamento de Engenharia Biomédica da Universidade Tufts e do Instituto de Envelhecimento da População da Universidade de Oxford e autora principal do artigo. “Embora tenhamos demonstrado uma ligação entre a ativação do VZV e do HSV-1, é possível que outros eventos inflamatórios no cérebro também possam despertar o HSV-1 e levar à doença de Alzheimer.”

Vírus à espreita

“Temos trabalhado em muitas evidências estabelecidas de que o HSV tem sido associado ao aumento do risco de doença de Alzheimer em pacientes”, disse David Kaplan, presidente do Departamento de Engenharia Biomédica da Escola de Engenharia da Universidade Tufts e coautor do artigo. “Sabemos que existe uma correlação entre o HSV-1 e a doença de Alzheimer, e alguns sugerem envolvimento do VZV, mas o que não sabíamos é a sequência de eventos que os vírus criam para colocar a doença em movimento”, disse ele. “Achamos que agora temos evidências desses eventos.”

Uma das primeiras a levantar a hipótese de uma conexão entre o vírus do herpes e a doença de Alzheimer é Ruth Itzhaki, da Universidade de Oxford, que colaborou com o laboratório de Kaplan nesse estudo e é coautora do artigo.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, estima-se que 3,7 bilhões de pessoas com menos de 50 anos foram infectadas com HSV-1 – o vírus que causa o herpes oral. Na maioria dos casos ele é assintomático, permanecendo adormecido dentro das células nervosas. Quando ativado, pode causar inflamação nos nervos e na pele, o que origina feridas abertas dolorosas e bolhas. A maioria dos portadores terá entre sintomas muito leves ou inexistentes antes que o vírus fique inativo.

Infecção extremamente comum

O vírus varicela-zóster também é extremamente comum, com cerca de 95% das pessoas infectadas antes dos 20 anos. Muitos desses casos são expressos como catapora. O VZV, que é uma forma de vírus do herpes, também pode permanecer no corpo, encontrando seu caminho para as células nervosas antes de se tornar inativo.

Mais tarde na vida, o VZV pode ser reativado para causar herpes-zóster, uma doença caracterizada por bolhas e nódulos na pele que se formam em um padrão semelhante a uma faixa e podem ser muito dolorosos, durando semanas ou até meses. Uma em cada três pessoas acabará por desenvolver um caso de herpes-zóster durante a vida.

A ligação entre o HSV-1 e a doença de Alzheimer só ocorre quando o HSV-1 foi reativado para causar feridas, bolhas e outras condições inflamatórias dolorosas.

Como os vírus podem acordar do sono

Para entender melhor a relação de causa e efeito entre os vírus e a doença de Alzheimer, os pesquisadores da Universidade Tufts recriaram ambientes semelhantes ao cérebro em pequenas esponjas em forma de rosquinha de 6 milímetros de largura feitas de proteína de seda e colágeno.

Eles povoaram as esponjas com células-tronco neurais que crescem e se tornam neurônios funcionais capazes de transmitir sinais uns aos outros em uma rede, assim como fazem no cérebro. Algumas das células-tronco também formam células gliais, que normalmente são encontradas no cérebro e ajudam a manter os neurônios vivos e funcionando.

Os pesquisadores descobriram que os neurônios cultivados no tecido cerebral podem ser infectados com VZV, mas isso por si só não levou à formação das proteínas tau e beta-amiloide da assinatura de Alzheimer – os componentes do emaranhado de fibras e placas que se formam nos cérebros dos pacientes com a doença de Alzheimer –, e os neurônios continuavam a funcionar normalmente.

No entanto, se os neurônios já abrigavam HSV-1 quiescente, a exposição ao VZV levou a uma reativação do HSV e a um aumento dramático nas proteínas tau e beta-amiloide, e os sinais neuronais começam a desacelerar.

Golpe duplo

“É um golpe duplo de dois vírus que são muito comuns e geralmente inofensivos, mas os estudos de laboratório sugerem que, se uma nova exposição ao VZV despertar o HSV-1 adormecido, eles podem causar problemas”, disse Cairns.

“Ainda é possível que outras infecções e outros caminhos de causa e efeito possam levar à doença de Alzheimer, e fatores de risco como traumatismo craniano, obesidade ou consumo de álcool sugerem que eles podem se cruzar no ressurgimento do HSV no cérebro”, ela acrescentou.

Os pesquisadores observaram que as amostras infectadas pelo VZV começaram a produzir um nível mais alto de citocinas – proteínas que muitas vezes estão envolvidas no desencadeamento de uma resposta inflamatória. Kaplan observou que o VZV é conhecido em muitos casos clínicos por causar inflamação no cérebro, o que poderia levar à ativação do HSV dormente e aumento da inflamação.

Efeitos de vacina

Ciclos repetidos de ativação do HSV-1 podem levar a mais inflamação no cérebro, produção de placas e acúmulo de danos neuronais e cognitivos.

Uma vacina para o VZV – para prevenir varicela e herpes-zóster – também demonstrou reduzir consideravelmente o risco de demência. É possível que a vacina esteja ajudando a interromper o ciclo de reativação viral, inflamação e dano neuronal.

Os pesquisadores também observaram os efeitos neurológicos de longo prazo que alguns pacientes com covid experimentaram do vírus SARS-CoV-2, particularmente entre os idosos, e que tanto o VZV quanto o HSV-1 podem ser reativados após uma infecção por covid. Ficar de olho nos possíveis efeitos cognitivos subsequentes e na neurodegeneração seria aconselhável nesses casos, disseram eles.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


Alzheimer