Vivo se torna empresa carbono neutro

Empresa já compensa 100% das suas emissões diretas de dióxido de carbono

A frota de mais de 5 mil veículos da empresa tornou-se carbono neutro em 2019. Crédito: Divulgação

Em um cenário impactado pela covid-19, no qual dois terços dos consumidores brasileiros, de acordo com pesquisa da consultoria McKinsey, consideram mais importante do que antes limitar os impactos nas mudanças climáticas, a empresa de telecomunicações Vivo anuncia mais uma iniciativa para tornar sua rede ainda mais limpa. A companhia passou a compensar 100% das emissões diretas de CO2, tornando-se a primeira telecom carbono neutro do país, de acordo com seu Relatório de Sustentabilidade 2019, lançado em junho. Com a medida, a Vivo também se antecipa à meta global do grupo Telefónica de ser carbono neutro até 2030.

“A Vivo busca desempenhar um papel cada vez mais relevante e sustentável na sociedade. A descarbonização é um passo importante, que reflete nossa preocupação em minimizar o impacto da nossa operação no meio ambiente e contribuir com o esforço internacional de combate ao aquecimento global”, revela o vice-presidente de Relações Institucionais e Sustentabilidade da Vivo, Renato Gasparetto.

Parte dessa conquista se deve à utilização de energia totalmente renovável, que viabilizou redução de 50% das emissões da Vivo em 2019, segundo o relatório, e também da neutralização das emissões dos 5,6 mil veículos da sua frota. Para compensar o restante das emissões diretas inerentes à sua operação, a Vivo passou a adquirir créditos de carbono, convertidos em projetos de proteção socioambiental.

LEIA TAMBÉM: Extração de recursos naturais gera 50% do carbono mundial

O grupo Telefónica como um todo, tem liderado iniciativas e contribuído para a economia de baixo carbono, com meta de atingir emissões líquidas zero até 2030 em seus principais mercados (Brasil, Alemanha, Reino Unido e Espanha) e reduzir em 70% as emissões em suas operações de modo global. No Brasil, a meta para a redução de emissões da Vivo também está atrelada ao pool de bônus dos executivos.

Compensação de emissões

A aquisição de créditos de carbono é utilizada pela empresa para compensar as emissões diretas que não podem ser evitadas e acontece por meio de dois projetos. Um deles é o REDD+ Jari, que promove o manejo sustentável de recursos florestais em comunidades agroextrativistas em mais de 900 mil hectares no Pará e no Amapá. Ao promover o bem-estar e a capacitação das comunidades, elas se tornam mantenedoras da floresta amazônica e evitam as emissões provenientes do desmatamento. Outro projeto é o que contribui para a geração de energia eólica (VTRM Renewable Energy), contribuindo para uma matriz energética brasileira mais limpa.

Redução de emissões e eficiência no consumo

Desde 2018 a empresa passou a converter 100% do seu consumo de energia para fontes renováveis, seja por meio da compra de certificados de garantia de origem, de energia incentivada do mercado livre ou da geração distribuída, a partir de pequenas centrais hidrelétricas, em Minas Gerais. A empresa também busca maior eficiência no consumo de energia que impactam diretamente em sua pegada de carbono. Entre as medidas estão a modernização, automação e otimização de equipamentos, além dos desligues que eliminam duplicidades de rede. Outra iniciativa é a adaptação do sistema de climatização das centrais telefônicas para a captação do ar, com maior aproveitamento da temperatura externa. Esse conjunto de ações gerou uma economia de cerca de 7% em 2019.

A partir de 2019, os mais de 5 mil veículos da frota da operadora passaram a ser carbono neutro, por meio da compra de créditos para compensação das emissões. A empresa também implantou um sistema de agendamento para a utilização de carros compartilhados por diferentes áreas da empresa, diminuindo o total de veículos em circulação, e adotou seus primeiros carros elétricos. A Vivo também já testa o uso de bicicletas elétricas para atendimentos específicos a clientes.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança