Voyager 2 é o segundo artefato humano a chegar ao meio interestelar

Feito, conseguido há um ano, foi confirmado por cinco estudos diferentes agora; passagem se deu a mais de 18 bilhões de quilômetros do Sol

A ilustração mostra a posição estimada das sondas Voyager 1 e Voyager 2, já fora da heliosfera. Crédito: Nasa/JPL-Caltech

Segundo pesquisadores da Universidade de Iowa (EUA), em 5 de novembro de 2018 a sonda Voyager 2 entrou no meio interestelar, a região do espaço fora do limite em forma de bolha produzido pelo vento solar. A Voyager 2, assim, se torna o segundo objeto criado pelo homem a sair da influência do Sol, após a saída da Voyager 1, em 2012. O estudo é um dos cinco publicados sobre o assunto na mais recente edição da revista “Nature Astronomy”.

Os pesquisadores de Iowa confirmam a passagem da Voyager 2 para o meio interestelar ao observarem um salto definitivo na densidade do plasma detectado por um instrumento de ondas de plasma na sonda liderado pela Universidade de Iowa. O aumento acentuado da densidade do plasma é uma evidência de que a Voyager 2 se desloca das características quentes e de baixa densidade do vento solar para o plasma frio e de maior densidade do espaço interestelar. Também é semelhante ao salto de densidade do plasma experimentado pela Voyager 1 quando alcançou o espaço interestelar.

“Em um sentido histórico, a velha ideia de que o vento solar será gradualmente reduzido à medida que você avança no espaço interestelar simplesmente não é verdadeira”, diz Don Gurnett, autor do estudo. “Mostramos com a Voyager 2 – e anteriormente com a Voyager 1 – que há um limite distinto por aí. É simplesmente surpreendente como os fluidos, incluindo plasmas, formam limites.”

LEIA TAMBÉM: 40 anos de Voyager

Principal pesquisador do instrumento de ondas de plasma a bordo do Voyager 2, Gurnett é também o principal pesquisador do instrumento de ondas de plasma a bordo do Voyager 1 e foi o autor do estudo de 2013 publicado na revista “Science” que confirmou que a Voyager 1 havia entrado no meio interestelar.

Distâncias semelhantes

A entrada da Voyager 2 no meio interestelar ocorreu em 119,7 unidades astronômicas (UA), ou a mais de 18 bilhões de quilômetros do Sol. A Voyager 1 fez essa passagem em 122,6 UA. As naves espaciais foram lançadas com um intervalo de poucas semanas em 1977, com diferentes objetivos de missão e trajetórias no espaço. No entanto, eles entraram no meio interestelar basicamente nas mesmas distâncias do Sol.

Isso fornece pistas valiosas para a estrutura da heliosfera, a bolha em forma de biruta criada pelo vento do Sol à medida que se estende até os limites do Sistema Solar. “Não sabíamos o tamanho da bolha e certamente não sabíamos que a espaçonave poderia viver o suficiente para alcançar a borda da bolha e entrar no espaço interestelar”, disse Ed Stone, do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), que trabalha na missão desde antes do seu lançamento em 1977.

As medições apresentadas nos cinco artigos publicados na “Nature Astronomy” revelam que a Voyager 2 encontrou um limite de heliosfera muito mais nítido e mais fino que a Voyager 1. Isso pode ser explicado pela passagem da Voyager 1 durante um máximo solar (a atividade está atualmente baixa) ou a própria nave pode ter percorrido uma trajetória menos perpendicular, o que significa que acabou passando mais tempo no limite.

“Isso implica que a heliosfera é simétrica, pelo menos nos dois pontos em que as sondas Voyager a cruzaram”, afirmou Bill Kurth, coautor do estudo, da Universidade de Iowa. “Isso diz que esses dois pontos na superfície estão quase à mesma distância. (…) Há quase uma frente esférica nisso.”

Espessura variada

Os pesquisadores também coletaram com a Voyager 2 pistas adicionais sobre a espessura da heliosheath, a região externa da heliosfera, e o ponto em que o vento solar se acumula contra o vento que se aproxima no espaço interestelar, comparado por Gurnett ao efeito de um limpa-neve em uma rua de cidade.

Os pesquisadores de Iowa dizem que a heliosheath tem espessura variada, com base em dados que mostram que a Voyager 1 navegou 10 UA mais longe do que sua gêmea para alcançar a heliopausa, um limite onde o vento solar e o vento interestelar estão em equilíbrio e considerado o ponto de passagem para o espaço interestelar. Alguns pensaram que a Voyager 2 faria essa travessia primeiro, com base em modelos da heliosfera.

“É como olhar para um elefante com um microscópio”, diz Kurth. “Duas pessoas vão ao elefante com um microscópio e duas medidas diferentes. Você não tem ideia do que está acontecendo no meio. O que os modelos fazem é tentar pegar as informações que temos desses dois pontos e o que aprendemos durante o voo e montar um modelo global da heliosfera que corresponda a essas observações.”

Duração ilimitada

A última medição obtida na Voyager 1 foi quando a sonda estava a 146 UA, ou a mais de 34 bilhões de quilômetros do Sol. O instrumento de ondas de plasma está registrando que a densidade do plasma está aumentando.

Atualmente, o sinal da Voyager 2 leva mais de 16 horas para chegar à Terra. Seu transmissor de 22,4 watts tem uma potência equivalente a uma lâmpada de geladeira, que é mais de um bilhão de bilhões de vezes mais fraca quando atinge a Terra e é captada pela maior antena da Nasa, uma antena parabólica de 70 metros.

As duas sondas Voyager, alimentadas por plutônio em decomposição constante, deverão ficar abaixo dos níveis críticos de energia em meados da década de 2020. Mas continuarão em suas trajetórias muito depois de ficarem em silêncio. “As duas Voyagers durarão mais que a Terra”, disse Kurth. “Elas estão em suas próprias órbitas ao redor da galáxia por 5 bilhões de anos ou mais. E a probabilidade de elas encontrarem algo é quase nula.”