• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Featured25/07/2022

Wolfsschanze, o bunker onde Hitler planejou a guerra e o Holocausto

Deutsche Welle
Texto por:Deutsche Welle25/07/22 - 07h20min

O antigo quartel-general do Führer era perfeitamente camuflado e impossível de ser visto do ar. Altas árvores de folhas caducas e redes escondiam a instalação. Em nenhum outro lugar Adolf Hitler passou tanto tempo durante a Segunda Guerra Mundial – o ditador esteve por cerca de 830 dias no bunker da Wolfsschanze (Toca do Lobo, em português).

Do lado de fora, o bunker de Hitler lembra uma antiga tumba egípcia. Hitler viveu nessa tumba, onde trabalhou e dormiu. "Parecia que as paredes de concreto de sete metros de espessura que o cercavam figurativamente o separavam do mundo exterior e o aprisionavam em sua loucura", diz o guia turístico Lukas Polubinski.

A natureza retorna ao local

Quando o Exército Vermelho, as forças armadas da União Soviética, se aproximavam, a Wehrmacht alemã explodiu os quartéis, em 24 de janeiro de 1945. Mas os enormes edifícios de aço não foram completamente destruídos. Após a guerra, os moradores saquearam materiais de construção das ruínas, mas enormes blocos de concreto ainda estão na floresta, cobertos de samambaias e musgo.

Os campos minados foram limpos, e turistas visitam a Wolfsschanze desde 1959. Quase 80 anos depois, os visitantes ainda podem sentir a atmosfera do lugar onde Hitler, seus generais e marechais não apenas planejaram campanhas, mas também discutiram detalhes do genocídio dos judeus.

Por um tempo, um operador turístico permitiu que os visitantes se sentassem em tanques e jogassem jogos de guerra com armas de ar. Mas a abordagem desencorajou visitantes em potencial, segundo Polubinski. Desde 2017, o lugar está sob gestão estatal. Cerca de 300 mil pessoas o visitam anualmente, a maioria da Polônia, mas também de outros países mundo afora.

É proibido entrar nos restos do bunker, mas alguns visitantes sobem nos poucos corredores restantes. "Tivemos que retirar muitas pessoas que se machucaram", afirma Polubinski, aconselhando o grupo a "ficar nas trilhas".

Tentativa de assassinato

Poucos passos após entrar na área, há uma placa em homenagem a Claus Schenk Graf von Stauffenberg. Em 20 de julho de 1944, o coronel tentou matar Hitler com uma bomba no local. O ataque fracassou.

"Não foi o primeiro atentado contra a vida do Führer", afirma Lukas Polubinski, acrescentando que houve pelo menos 42 ataques ao ditador.

Planejando a invasão da União Soviética

Por que os aliados não atacaram a Wolfsschanze para acabar com o terror nazista? "Simplesmente porque os bunkers eram maciços demais", diz Polubinksi. "Provavelmente os britânicos e os americanos sabiam desde o verão de 1943 que a Wolfsschanze existia, mas eles não estavam preocupados com os edifícios – eles queriam pegar Hitler. E eles não sabiam quando ele estaria lá."

Além disso, argumenta o guia turístico, os aviões da época não tinham autonomia para voar até a Prússia Oriental, lançar bombas e retornar à Inglaterra.

Hitler escolheu o local na Prússia Oriental não só porque era um bom esconderijo, mas sobretudo porque não ficava longe da fronteira russa, segundo Polubinksi. Em 22 de junho de 1941, ele ordenou o ataque à União Soviética a partir da Wolfsschanze.

Quarto Âmbar em Mauerwald?

A poucos quilômetros de distância, também bem escondido na densa floresta mista de coníferas, o Alto Comando do Exército havia instalado seu quartel-general, conhecido como Mauerwald.

Diferentemente da Wolfsschanze, esses bunkers não foram destruídos. Figuras em tamanho real foram colocadas nas salas úmidas e opressivas. Visitantes podem se maravilhar com uma réplica de um submarino e, surpreendentemente, uma réplica da lendária Sala de Âmbar, uma câmara decorada com painéis de âmbar.

Foi um presente que o rei prussiano Frederico Guilherme 2º (Friedrich Wilhelm 2º) deu ao czar Pedro 1º, o Grande, em 1716, como sinal de sua amizade e para confirmar a aliança entre seus países.

O czar exibiu a câmara em seu palácio em São Petersburgo. Mas durante a Segunda Guerra Mundial, soldados nazistas o roubaram e até hoje ninguém sabe onde está.

Naquela época, o chefe do distrito da Prússia Oriental, Erich Koch, sugeriu que o precioso salão poderia estar escondido no Mauerwald. Após a guerra, ele não foi executado porque as autoridades esperavam que ele revelasse o paradeiro. Ele se manteve em silêncio, no entanto. Mauerwald foi alvo de buscas várias vezes, mais recentemente em 2017, mas o tesouro segue desaparecido.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


bunker