Wuhan relata primeiro foco de coronavírus desde fim do isolamento

Cidade é o epicentro do surto de covid-19 na China

Passageiros fazem fila para medição de temperatura corporal em estação ferroviária de Wuhan: o epicentro da covid-19 na China volta a registrar casos após o fim do isolamento. Crédito: China News Service/Wikimedia

Wuhan, o epicentro do surto do novo coronavírus na China, relatou nesta segunda-feira (11) seu primeiro foco de infecções desde que o isolamento da cidade foi suspenso um mês atrás, provocando o temor de um ressurgimento mais abrangente da doença.

As novas infecções são um sinal de alerta em meio aos esforços para suavizar as restrições relacionadas ao coronavírus em toda a China – indivíduos estão voltando ao trabalho e empresas estão voltando a funcionar.

Wuhan relatou cinco novos casos confirmados, todos do mesmo conjunto residencial. Um deles foi a esposa de um paciente de 89 anos relatado um dia antes como o primeiro caso confirmado da cidade central em mais de um mês.

“No momento, a tarefa de prevenção e controle epidêmico da cidade ainda é muito pesada”, disse a autoridade de saúde de Wuhan em um comunicado. “Precisamos conter o risco de uma retomada resolutamente.”

LEIA TAMBÉM: Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas

Todos os casos recentes foram classificados anteriormente como assintomáticos – pessoas que tiveram diagnóstico positivo do vírus e podem infectar outras, mas não exibem sinais clínicos, como febre.

O número de casos assintomáticos na China é desconhecido, já que eles só aparecem no radar das autoridades de saúde quando dão resultado positivo em exames realizados como parte das atividades de rastreamento de contatos e verificações de saúde.

Assintomáticos

A China não inclui os casos assintomáticos em sua contagem geral de casos confirmados, hoje em 82.918, até que eles exibam sinais de infecção. A China continental já comunicou 4.633 mortes.

Centenas de casos assintomáticos de Wuhan, que no dia 8 de abril foi liberada de um isolamento de meses, estão sendo monitorados.

O número de casos novos surgidos no país desde abril foi pequeno quando comparado aos milhares confirmados todos os dias em fevereiro, graças a um regime nacional de verificação, exames e quarentenas.

Na sexta-feira, o governo disse que cinemas, museus e outros locais serão reabertos gradualmente, mas que restrições como reservas obrigatórias e um limite ao número de visitantes estarão em vigor.

O polo financeiro de Xangai reabriu algumas atrações noturnas, e a Walt Disney reabriu seu parque na cidade a um número reduzido de visitantes nesta segunda-feira.

Mi Feng, porta-voz da Comissão Nacional de Saúde, disse que infecções novas em sete províncias estão sendo rastreadas.

“Nos últimos 14 dias, sete províncias relataram novos casos transmitidos localmente, e os casos envolvendo focos continuam a aumentar”, disse Mi em um comunicado à imprensa.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua