Xadrez proibido

Para o grão-mufti saudita, o xadrez é “perda de tempo”

O grão-mufti (principal líder religioso islâmico) da Arábia Saudita, xeique Abdulaziz al-Sheikh, proibiu o xadrez no país em janeiro, alegando que ele incentiva apostas em dinheiro e é uma perda de tempo. O aiatolá Ruhollah Khomeini também havia vetado o jogo após a Revolução Islâmica de 1979 no Irã, mas no fim da vida concluiu que havia exagerado no caso e desfez a proibição. A fatwa (sentença) do grão-mufti talvez não entre em vigor: como ela veio em resposta a uma consulta específica, pode significar apenas uma opinião particular, em vez de um decreto formal. Os enxadristas do país, pelo menos, não se assustaram com a proibição e o presidente da Federação Saudita, Musa bin Thaily, promete prosseguir com o cronograma de torneios nacionais.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança

COMPARTILHAR